Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Pesquisadores testam nova substância contra a malária


Da AFP

18/08/2004 | 14:00


Um estudo revela que uma nova substância para combater a malária obtida de maneira completamente sintética e bem tolerada pelo organismo, pode se tornar uma importante arma contra a doença, que afeta 600 milhões de pessoas no mundo e mata uma criança africana a cada 30 segundos.

A descoberta desta molécula, inspirada em um componente de uma planta chinesa, a artemisina, é descrita na edição desta quinta-feira da revista científica britânica Nature.

O estudo foi realizado por uma equipe internacional formada por pesquisadores das universidades de Nebraska (Estados Unidos), Monash (Australia), do Instituto Tropical Suíço e da empresa farmacêutica suíça Hoffman Roche.

A substância, batizada de OZ 277, está sendo desenvolvida atualmente por uma organização sem fins lucrativos dedicada à pesquisa de novas terapias baratas contra a malária, graças a parcerias entre os setores público e privado, o MMV (Medicines for Malaria Venture) e a empresa farmacêutica indiana Ranbaxy.

Os testes de segurança e boa tolerância do "OZ" fora realizados na Grã-Bretanha, afirma o MMV. "Os testes de eficácia nos pacientes afetados pela malária começarão em janeiro de 2005", informa a organização. "Em caso de sucesso, este medicamento pode se tornar a próxima grande arma para combater esta doença".

A malária é uma doença parasitária que pode ser tratada, apesar de matar mais de um milhão de pessoas, a maioria na África.

Ao contrário dos derivados semi-sintéticos da artemisina atualmente disponível, a OZ pode ser sintetizada completamente em grande escala e a um custo acessível para a África. O objetivo é criar um tratamento simples e curto, em apenas uma administração oral diária durante um máximo de três dias.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;