Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 10 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

STJ nega anular delação premiada de ex número 2 da Saúde do Rio



06/07/2022 | 18:06


O ministro do Superior Tribunal de Justiça, Olindo Menezes, desembargador convocado do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, negou o pedido de liminar em habeas corpus feito pela defesa dos empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita Cavalcanti Pessoa, que solicita a anulação da delação premiada do ex-subsecretário de Saúde do Rio de Janeiro (RJ) Cesar Romero Vianna Júnior.

A colaboração premiada de Cesar Romero foi firmada com o Ministério Público Federal (MPF) durante desdobramentos da Operação Fratura Exposta, em 2017. A operação investigava esquemas de corrupção na Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro durante a gestão de Sérgio Côrtes (2007-2013), que resultou na prisão dos empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita. Como mostrou o Estadão, em 2020, o ex-subsecretário foi preso pela Polícia Federal (PF) acusado de proteger um empresário na sua delação, em troca de dinheiro.

Requerendo a anulação ou ao menos a declaração de ilicitude de 'todas as provas produzidas no curso da mencionada colaboração premiada' e acesso aos autos do processo, a defesa de Miguel Iskin e Gustavo Estellita, sócios de uma fornecedora de materiais hospitalares, argumentou que a delação não foi voluntária porque foi firmada por meio de chantagens e extorsões. Os réus alegam ainda que o ex-subsecretário teria utilizado do recurso para praticar novos crimes.

'César Romero - durante as tratativas de seu acordo de colaboração com o MPF - asseverou ter extorquido Procuradores, protegeu terceiros criminosos, vendeu silêncio, alterou a verdade dos fatos, omitiu fatos ..'.

De acordo com os advogados, os argumentos evidenciam ilicitude de provas, resultando na nulidade da celebração do acordo, e contaminam 'todo o seu conteúdo, já que as provas foram produzidas não só a partir de vício de voluntariedade (coação contra o MPF/RJ), mas por meio da prática de crimes'

A defesa aponta ainda que o "fato é tão grave que o Juízo da 7ª Vara Federal Criminal - RJ determinou a prisão preventiva de Cesar Romero, de quem outrora homologou o acordo de delação, todavia, não revogou o pacto" e que o Juízo ainda retirou o acesso das defesas aos autos da homologação da delação premiada do ex-subsecretário no qual se discute hoje a rescisão do acordo. Para os advogados, "há evidente violação dos princípios constitucionais da ampla defesa e do devido processo legal, além de contrariedade frontal à súmula vinculante nº 14 do Supremo Tribunal Federal"

Ao indeferir o pedido, o ministro apontou que concessão de liminar em habeas corpus é uma medida excepcional, somente cabível quando, em juízo perfunctório, observa-se, de plano, evidente constrangimento ilegal. Para Menezes, os pedidos de acesso aos autos solicitados pela defesa, bem como o pedido de anulação da colaboração, serão melhor analisados "após as manifestações da autoridade apontada como coatora e do MPF, postergando-se o seu exame para o julgamento de mérito da impetração, garantindo-se assim a necessária segurança jurídica."

Segundo o Supremo Tribunal de Justiça, o mérito do habeas corpus ainda será julgado pela Sexta Turma do STJ.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;