Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 17 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Associação de concessionárias de saneamento estima 28 leilões em 2022 e 2023



06/07/2022 | 11:47


De acordo com a publicação "Panorama da iniciativa privada no saneamento 2022", 28 leilões de água e esgoto devem ser realizados no Brasil em 2022 e 2023, com estimativa de investimentos contratados de R$ 24,5 bilhões, informou nesta quarta-feira, 6, a Abcon, associação que representa as concessionárias do setor.

Segundo o anuário da entidade, dois anos após o novo marco legal do saneamento entrar em vigor, as operadoras privadas expandiram sua participação e passaram a atender 46,1 milhões de pessoas com serviços de água e esgotamento sanitário. Em relação ao ano passado, quando essas empresas atendiam 31,6 milhões de usuários, o crescimento foi de 45%.

Em meados de 2020, as concessões privadas estavam presentes em menos de 6% dos municípios. Hoje, já operam em 509 cidades (mais de 9% do total). Uma parcela significativa desses municípios (44%) é considerada de pequeno porte, com até 20 mil habitantes. Entre 2021 e março de 2022, houve a inclusão de mais 120 cidades nesse rol.

Conforme a Abcon, até março de 2022 foram realizados 16 leilões de saneamento no País, com R$ 46,7 bilhões de investimentos previstos contratados e 20 milhões de pessoas beneficiadas. Os certames geraram com outorgas R$ 29,5 bilhões de recursos para o poder concedente (estados e municípios).

No comparativo com os demais setores de infraestrutura, o saneamento concentrou 26,7% dos investimentos contratados nos leilões realizados entre 2019 e 2021, aponta a entidade, sendo o setor com o maior valor contratado em processos licitatórios no período.

"Mesmo com as restrições impostas pela pandemia, o setor conseguiu manter a realização dos investimentos frente a quedas significativas em outras áreas, como telecomunicações e transportes", disse a Abcon em nota. Entre 2018 e 2020, o setor de saneamento manteve um crescimento dos investimentos de 3,8%, enquanto em transportes houve queda de quase 12% e, em telecomunicações, 8%, acrescenta a entidade no documento.

Para 2022 e 2023, o setor estima a realização de 28 leilões de saneamento, com investimento previsto a ser contratado de R$ 24,5 bilhões. De acordo com um estudo da Abcon em parceria com a KPMG, feito à época da aprovação do novo marco, o Brasil precisa realizar um aporte de R$ 753 bilhões para atingir a universalização dos serviços de água e esgoto no prazo estipulado pela lei, incluindo ampliação da rede e custos para recuperar os sistemas em uso. Isso significa investir mais de R$ 50 bilhões ao ano até 2033.

Ainda conforme estudo da entidade, o efeito multiplicador desse investimento traria como resultado cerca de R$ 1,4 trilhão na economia, com a geração de mais de 14 milhões de empregos ao longo do período dos investimentos e quase R$ 90 bilhões em arrecadação tributária.

As operadoras privadas de saneamento possuem 199 contratos firmados, entre as modalidades de concessões plenas e parciais, PPPs e subdelegações.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;