Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 17 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Ex-presidente Aidar é absolvido em processo por furto no São Paulo e lavagem



05/07/2022 | 20:20


Carlos Miguel Aidar e outras sete pessoas foram absolvidas sumariamente, nesta terça-feira, da acusação de furto e lavagem de dinheiro por pagamentos de honorários a um escritório de advocacia pelo São Paulo durante a última gestão do dirigente à frente do clube, entre 2014 e 2015.

O argumento acatado pela juíza Marcia Mayumi Okoda Oshiro observa que os pagamentos, feitos pelo São Paulo, ao escritório de advocacia de José Roberto Cortez - de cerca de R$ 4,5 milhões - foram realizados de maneira lícita, dada a ordem em decisão judicial anterior obrigando o clube a arcar com os valores dos honorários. O próprio clube do Morumbi também havia se manifestado favoravelmente à licitude do caso e informando não existir indícios de furto.

O Ministério Público, que ainda pode recorrer da decisão, apontava que os acordos feitos entre o clube e o escritório tiveram uma intermediação irregular de Carlos Miguel Aidar, que ao lado de outros acusados teria se beneficiado de parte desses valores. O pagamento desses honorários seriam objeto de fraude, cujo foco central era lavagem de dinheiro.

Além do ex-presidente do São Paulo, foram absolvidos no processo: Leonardo Serafim, ex-diretor jurídico; Douglas Schwartzmann, ex-diretor de marketing; o advogado José Roberto Cortez; Bruno Minelli; Cinira Maturana, ex-namorada de Aidar; Keila Cristina da Silva, sobrinha de Cinira; e Maria Eugênia Cortez, filha do advogado José Roberto.

O Ministério Público começou a investigar o ex-presidente do São Paulo ainda em 2015, após denúncias de fraude em transação envolvendo o zagueiro Iago Maidana. O caso inclusive deu origem a uma crise política no clube tricolor, que culminou na renúncia de Carlos Miguel Aidar. Além deste caso, está sob suspeita um acordo com a fornecedora de materiais esportivos Under Armour.

No entanto, apesar dos sete anos de investigação, o Ministério Público não conseguiu reunir provas suficientes para oferecer denúncia referentes aos casos Maidana e Under Armour. Em setembro de 2021, o MP levou à Justiça o processo envolvendo os pagamentos de honorários ao advogado José Roberto Cortez, cuja decisão em primeira instância foi proferida absolvendo todos os arrolados na ação.

Procurada, a defesa de Carlos Miguel Aidar preferiu não se manifestar sobre o tema, uma vez que o processo corre em segredo de Justiça.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;