Fechar
Publicidade

Domingo, 14 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Silvina Batakis é a nova ministra da Economia da Argentina



04/07/2022 | 08:17


Após a renúncia de Martín Guzmán do ministério da Economia da Argentina, Silvina Batakis, foi escolhida pelo presidente Alberto Fernández para comandar a pasta. A porta-voz do governo argentino, Gabriela Cerruti, fez o anuncio em seu Twitter na noite deste domingo, 3. "Batakis é uma renomada economista que cumpriu essa função na província de Buenos Aires entre 2011 e 2015", escreveu Cerruti. À época, o ex-embaixador da Argentina no Brasil Daniel Scioli era o governador da província.

Em seu Twitter, Scioli, que atualmente ocupa o ministério de Desenvolvimento Produtivo, elogiou a decisão e escreveu sobre Batakis: "uma pessoa de grande qualidade humana e extensa formação profissional. Uma trabalhadora incansável com um grande sentido de responsabilidade e uma experiência notável".

Em sua formação acadêmica constam: graduação em Economia pela Universidade Nacional de La Plata, mestrado em Finanças Públicas Provinciais pela mesma universidade e mestrado em Economia Ambiental pela Universidade de York, na Inglaterra.

Próxima do kirchnerismo

Para aplacar a crise política deflagrada pela renúncia de Martín Guzmán, o presidente Alberto Fernández escolheu como sucessora um nome próximo ao grupo liderado pela vice-presidente Cristina Kirchner. A nova titular da pasta, Silvina Batakis, foi sugerida por Kirchner, de acordo com vários veículos da imprensa argentina.

A economista de 53 anos circula há décadas entre círculos kirchneristas. Entre 2011 e 2015, comandou a equipe econômica da província de Buenos Aires durante a gestão do então governador Daniel Scioli, um dos principais aliados de Kirchner.

Quando se lançou candidato à presidência em 2015, Scioli sinalizou que designaria Batakis para o ministério da economia. Ele, no entanto, foi derrotado por Mauricio Macri. Atualmente, Batakis atua como secretária de províncias do Ministério do Interior, que é chefiado pelo peronista Eduardo "Wado" De Pedro.

A escolha representa um aceno de Fernández a Kirchner. Segundo o jornal El Cronista, os dois tiveram uma conversa telefônica por 25 minutos na noite de domingo, na qual a decisão teria sido comunicada. A vice-presidente vinha fazendo duras críticas públicas à gestão de Guzmán, insatisfeita sobretudo com os planos de redução dos gastos públicos.

A diminuição do déficit fiscal era um das contrapartidas exigidas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para um programa de reestruturação de US$ 44 bilhões em dívida da argentina com o organismo multilateral. Kirchner expressou publicamente a oposição aos termos do acordo e rejeitou a ideia de que a política econômica expansionista tenha sido responsável pela escalada da inflação no país.

Ao anunciar a renúncia, no sábado, Guzmán não citou especificamente os motivos que levaram à decisão, mas a carta em que comunicou a saída foi divulgada no mesmo momento em que Kirchner repetia as críticas a ele.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;