Fechar
Publicidade

Domingo, 14 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Inflação derruba popularidade até de líderes sul-americanos recém-eleitos



03/07/2022 | 08:05


A inflação - impulsionada pela alta de combustíveis e alimentos - vem dizimando a popularidade de presidentes na América do Sul, incluindo os que foram eleitos recentemente. A insatisfação popular não respeita ideologias e afeta tanto esquerdistas, como Gabriel Boric, no Chile, quanto conservadores do naipe de Guillermo Lasso, no Equador, e Mario Abdo Benítez, no Paraguai.

A vítima mais recente é Boric. Com pouco mais de 100 dias no cargo, o líder mais jovem do continente viu sua aprovação cair de 50% para 34%, segundo o instituto Cadem. A inflação de 11,5%, muito alta para a estável economia chilena, é apontada como a principal vilã.

"No Chile, não se esperava uma inflação tão alta, mas se sabia que a recuperação pós-pandemia seria difícil. Esses dois fatores tiveram um efeito adverso na popularidade do presidente", disse ao Estadão o economista Luis Eduardo Escobar, diretor do Centro de Estudos do Desenvolvimento de Santiago.

FRAGILIDADE

No Peru, o presidente Pedro Castillo, há 11 meses no cargo, vive em guerra com o Congresso e o próprio partido. A inflação desestabilizou o governo, que já nasceu frágil em razão da estreita diferença de votos no segundo turno para a rival Keiko Fujimori.

O Peru, assim como o Chile, estava desabituado ao cenário inflacionário, já que os preços estavam controlados desde os anos 90. Nos últimos 12 meses, a inflação subiu para 8,78%, enquanto a aprovação de Castillo caiu para 23%, segundo o instituto Datum - uma rejeição parecida com a de Alejandro Toledo, presidente mais mal avaliado da história peruana.

"O Peru vinha de um ciclo de crescimento que garantiu um certo controle macroeconômico. Com a pandemia, retrocedemos dez anos", disse a economista Milagros Campos Ramos, da Pontifícia Universidade Católica do Peru. "O governo não está tomando medidas contra a crise e temos um presidente fraco que responde a tudo isso de improviso e com declarações contraditórias."

A baixa popularidade afeta também líderes de direita, como é o caso de Lasso, às voltas com violentos protestos de indígenas no Equador que o enfraqueceram politicamente nas últimas semanas.

QUEDA

Na Argentina, onde a inflação é um problema crônico há 20 anos, a popularidade de Alberto Fernández, presidente desde 2019, foi de 67%, no auge das medidas contra a covid, em abril de 2020, para 23%, segundo a consultoria Management & Fit. Para os argentinos, a inflação é um pesadelo. Nos últimos 12 meses, os preços subiram 29,3%, segundo o Instituto Nacional de Estatísticas.

Quem anda na contramão dessa onda é a Bolívia, onde o presidente Luis Arce, afilhado político de Evo Morales, eleito em 2021, tem conseguido manter a inflação sob controle. Com isso, sua popularidade está perto de 50%. A receita de Arce combina câmbio fixo, mantido com as receitas da exportação de gás, com a distribuição de subsídios para segurar os preços de alimentos e combustíveis. Para analistas, a fórmula é uma bomba-relógio. "O governo recorre a subsídios", disse o cientista político boliviano Roberto Laserna. "Mas o déficit fiscal é grande e esse processo não é sustentável."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;