Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 15 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Tribunal do Paraná resgata lei anti-LGBTfobia em Foz do Iguaçu



30/06/2022 | 19:58


Quem praticar atos discriminatórios contra pessoas LGBT+ na cidade de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, está novamente sujeito a várias sanções de natureza administrativa - multas, advertências, suspensão e até a cassação do alvará de funcionamento. Esse cenário, contudo, se deve a uma lei promulgada há 20 anos que, neste mês, foi restabelecida por ordem do Tribunal de Justiça do estado.

Embora a decisão tenha se tornado definitiva - sem possibilidade de recursos - em setembro do ano passado, a decisão foi repercutida nas redes da Corte nesta segunda-feira, 27, diante do encerramento do Mês do Orgulho LGBT+.

A cidade paranaense havia sancionado, em 2002, a lei nº 2.718, que estabelece punições administrativas para quaisquer atos discriminatórios fundamentados na orientação sexual ou na identidade de gênero.

Em 2019, a Câmara de Vereadores propôs um projeto de lei (PL) que revogava, na íntegra, a norma de 2002. O argumento foi o de que a lei mais antiga estaria ofendendo o princípio constitucional da separação de poderes, 'transferido o poder de decisão de um juiz imparcial para um funcionário público sem qualificação jurídica'. Isso porque um agente público poderia decidir se um caso foi ou não discriminatório e aplicar as sanções previstas na lei.

Na época, a prefeitura chegou a vetar a lei revogadora, mas o legislativo municipal derrubou esse veto. O diretório municipal do Partido dos Trabalhadores (PT) levou o caso ao conhecimento do TJPR por meio de uma Ação Declaratória de Inconstitucionalidade (Adin). O processo, relatado pelo desembargador Fernando Antonio Prazeres, do Órgão Especial da Corte, foi julgado procedente por unanimidade de votos.

Um dos pontos destacados no acórdão é o de que a Constituição estabelece que estados e municípios têm o dever de "punir a discriminação atentatória aos direitos e liberdades fundamentais".

O desembargador Fernando Antonio Prazeres argumentou que "desde que respeitado o sistema de repartição constitucional de competências, o que, como adiante se verá, ocorreu na hipótese dos autos, torna-se possível a coexistência de normas penais e administrativas dedicadas proteger bens jurídicos idênticos, a dignidade e a liberdade dos cidadãos homossexuais, bissexuais ou transgêneros".

A decisão também foi fundamentada em estatísticas sobre violência contra a população LGBT+ e no princípio da vedação ao retrocesso - que impede que direitos conquistados sejam posteriormente abolidos.

Na avaliação de Paulo Carneiro, sócio do escritório Carneiro, Vicente e Colli - Advocacia Humanista, a decisão é importante porque vai servir como parâmetro para outras Câmaras que tentem regredir. "É um precedente para o país todo", diz. O advogado identifica uma conjuntura na qual "os políticos têm criado leis meramente ideológicas, esvaziadas de técnica e de respeito à ordem constitucional, que é o caso de Foz do Iguaçu".

Embora a lei municipal nº 2.718/2002 esteja novamente em vigor, sua aplicação e validade dependem de outras posturas do município, "da forma como ele vai aplicar essa multa, a forma que a pessoa pode fazer a denúncia, se vai criar um órgão específico para isso ou não", explica Paulo Carneiro.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;