Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 11 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Ibovespa ignora China e cai com temor de juro mundial alto para conter preços



30/06/2022 | 11:28


O Ibovespa tenta recuperar ao menos o nível dos 98 mil pontos, mas mantém-se em queda superior a 1%, um pouco menos do que a vista nas bolsas norte-americanas. Por lá, o índice Nasdaq, por exemplo, cai perto de 2,90%.

"Teve surpresa positiva com dados da China após quatro meses de resultados fracos, mas ainda é cedo para precisar que o país superou os efeitos da pandemia. É algo positivo, mas isolado", avalia Lucas Carvalho, especialista em renda variável da Blue3.

Conforme Carvalho, prevalece o temor de uma recessão global. Segundo afirma, mesmo com o núcleo do PCE dos EUA com alta menor do que a esperada em maio, o nível anual ainda é elevado, sem forças para reverter a tendência de baixa das bolsas. "Chama atenção as palavras de Jerome Powell presidente do Fed em evento do BCE, de que o aperto monetário envolverá alguma dor, mas que será preciso combater os preços. Ou seja, a indicação é de alta de juros para conter a inflação", analisa Carvalho.

Nos Estados Unidos, o índice de preços de gastos com consumo - medida de inflação preferida do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) - subiu 0,6% em maio ante abril. O núcleo do PCE, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, avançou 0,3% no período, vindo um pouco abaixo das expectativas de analistas, de 0,4%. Na comparação anual, o PCE subiu 6,3% em maio, repetindo a variação do mês anterior, e seu núcleo aumentou 4,7%, depois de avançar 4,9% em abril.

De acordo com a equipe do BTG Pactual digital, apesar dos dados de consumo e crescimento mais fracos nos EUA, continua estimando alta de 0,75 ponto porcentual no juro básico do país na reunião de julho, encerrando o ano com uma taxa em 3,625% (intervalo de 3,50%-3,75%).

Além de sinais de melhora da economia chinesa, após dados de atividade mostrando expansão, a taxa de desemprego do Brasil, informada hoje, também é bem vista. A taxa de desocupação no Brasil ficou em 9,8% no trimestre encerrado em maio, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado ficou menor do que a mediana de 10,2% das estimativas na pesquisa Projeções Broadcast e do que o piso (9,9%). O teto era de 10,6%.

Contudo, pondera Carvalho, da Blue3, tende a gerar mais pressão inflacionária. Neste sentido, diz, o tom do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), também informado hoje pelo Banco Central (BC), sugere certa cautela. "Reconhece que o cenário é desafiador com riscos e oportunidades, e que os próximos trimestres serão de inflação pressionada", avalia, indicando que, neste quadro, os juros tendem a seguir altos por mais tempo que o esperado.

Às 11h12 o Ibovespa cedia 1,72%, aos 97.905,46 pontos, após ceder 1,75%, na mínima intradia a 97.876,77 pontos.

"Ainda em consolidação, sem força para compra e se segurando na região de resistência de 100.000 pontos, se der continuidade na venda o primeiro alvo fica na região de 94.000", conforme análise técnica de Pam Semezzaro, analista da Clear Corretora.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;