Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 15 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Câmara aprova MP que estende crédito consignado a beneficiário de programa social



30/06/2022 | 08:17


A Câmara aprovou nesta quarta-feira, 29, a Medida Provisória (MP) que amplia a margem de crédito consignado aos segurados do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) e que autoriza a realização de empréstimos e financiamentos mediante crédito consignado para beneficiários do Benefício de Prestação Continuada (BPC) e de programas sociais. Foram 245 votos favoráveis e 69 contrários. A matéria vai ao Senado.

O texto aprovado foi o substitutivo do relator da MP, deputado Bilac Pinto (União-MG), que propôs a ampliação para a maioria das categorias do porcentual da remuneração que poderá ser utilizada para os empréstimos consignados. O texto original da MP atingia apenas aposentados e beneficiários do Auxílio Brasil e do BPC.

Pelo texto, a margem consignável dos empregados celetistas, servidores públicos ativos e inativos, pensionistas, militares e empregados públicos será de 40%. Para os aposentados do RGPS, do BPC ou que recebem a Renda Mensal Vitalícia, a margem será de 45%. Em todos esses casos, 5% é reservado exclusivamente para operações com cartões de crédito consignados.

Para os beneficiários do Auxílio Brasil, a margem consignável é de 40% do valor do benefício, na forma estabelecida em regulamento. A responsabilidade sobre a dívida não poderá recair sobre a União.

Parlamentares contrários à ampliação das margens de empréstimos alegam que a medida gerará mais endividamento e irá tirar recursos dos mais pobres. "É uma verdadeira contabilidade criativa que esse governo quer fazer no estado de emergência eleitoral que se encontra o Bolsonaro", disse o líder da bancada do PT, deputado Reginaldo Lopes (MG).

Ainda de acordo com Lopes, o governo quer colocar dinheiro na economia tirando dos mais pobres. "Permitir cobrar 40% do Bolsa Família, do Auxílio Brasil, da renda social? De R$ 400 vai ser permitido R$ 160 para o sistema financeiro. Se passar para R$ 600, será R$ 240. Nós temos que federalizar a dívida do povo pobre. 78 milhões de famílias estão endividadas, e não fazer isso com o povo mais pobre, entregar o seu programa social para o sistema financeiro desse País. E permitir 45% para aposentado? Isso é uma vergonha", criticou.

O relator, no entanto, argumentou que um limite do crédito consignado baixo não impede o endividamento dos assalariados, só diminui as opções mais viáveis. "Mesmo quando se alcança o teto da margem, uma pessoa pode continuar contratando outros empréstimos ou contraindo dívidas no cartão de crédito, só que essa operação será muito, mas muito mais cara do que o crédito com desconto automático", disse Bilac Pinto.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;