Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 10 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Cármem Lúcia vê 'gravidade' em denúncia sobre vazamento de Operação Acesso Pago



28/06/2022 | 16:21


A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, remeteu à Procuradoria-Geral da República, para manifestação, um pedido de investigação sobre o presidente Jair Bolsonaro por suposto vazamento da Operação Acesso Pago, que prendeu o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e pastores ligados ao 'gabinete paralelo' instalado no MEC. A magistrada destacou a 'gravidade do quadro narrado' pelo deputado Israel Matos Batista em notícia-crime apresentada à corte máxima.

A notícia-crime de autoria de Batista é a segunda que a magistrada manda para a PGR, para manifestação. Trata-se de um procedimento de praxe, uma vez que o Ministério Público Federal é considerado o 'titular da ação penal', ou seja, ele é responsável por pedir a abertura de investigações. No caso do presidente da República, o órgão competente para requerer apurações é a Procuradoria-Geral da República.

Nesta segunda-feira, 27, a ministra Cármen Lúcia encaminhou ao Ministério Público Federal uma petição de autoria do deputado Reginaldo Lopes, que pede a apuração de supostos crimes de tráfico de influência, advocacia administrativa, corrupção e organização criminosa.

Na petição encaminhada ao Supremo, o deputado citou o parecer do Ministério Público Federal que motivou a remessa dos autos da Operação Acesso Pago de volta à corte máxima, inclusive com prevenção (preferência de encaminhamento) ao gabinete da ministra Cármen Lúcia.

A Procuradoria da República no Distrito Federal considerou que as conversas interceptadas pela PF no âmbito das apurações apontam para indício de vazamento da operação policial e possível interferência ilícita por parte do chefe do Executivo.

O órgão pediu o envio de parte do inquérito para o STF para averiguação da possível ocorrência dos crimes de violação de sigilo funcional com dano à Administração Judiciária e favorecimento pessoal.

O juiz Renato Coelho Borelli, da 15ª Vara Federal Criminal, acolheu o pedido e devolveu ao Supremo a íntegra do caso, para que a corte decida sobre o eventual o prosseguimento da investigação em primeira instância, ou sua cisão ou desmembramento.

O pedido do MPF e a decisão de Borelli tem relação com um grampo em que Milton Ribeiro relatou à filha uma conversa que teve com Bolsonaro em 9 de junho. Segundo o ex-ministro, o presidente havia lhe telefonado, dizendo que estava com um "pressentimento" sobre busca e apreensão.

"A única coisa meio? hoje o presidente me ligou? ele tá com um pressentimento, novamente, que eles podem querer atingi-lo através de mim, sabe? É que eu tenho mandado versículos pra ele, né?", disse Ribeiro para a filha.

A filha pergunta a Milton Ribeiro se Bolsonaro queria que o ex-ministro parasse de enviar mensagens. Em resposta, o ex-ministro diz que "não". "Ele acha que vão fazer uma busca e apreensão? em casa? sabe? é? é muito triste. Bom! Isso pode acontecer, né? se houver indícios né?", disse.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;