Fechar
Publicidade

Sábado, 13 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Confiança do comércio cresce para maior nível desde março de 2020, revela CNC

Icec, Índice de Confiança do Empresário do Comércio, cresceu 5,1% em relação a maio, alcançando 122,4 pontos



28/06/2022 | 12:06


Os comerciantes brasileiros ficaram mais otimistas em junho, segundo a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo). O Icec (Índice de Confiança do Empresário do Comércio) cresceu 5,1% em relação a maio, alcançando 122,4 pontos, o maior nível desde março de 2020, quando a pandemia de covid-19 começou a afetar mais significativamente o País.

O resultado representa o terceiro avanço consecutivo no Icec, impulsionado pelo crescimento no volume de vendas. Na comparação com junho de 2021, o indicador de confiança teve expansão de 24,4% em junho de 2022.

Na passagem de maio para junho, o componente de Condições Atuais do Empresário do Comércio avançou 9,9%, para 105,0 pontos, também o maior nível desde março de 2020. Houve melhora em todos os itens investigados: economia (alta de 12,4% em junho ante maio), setor (9,7%) e empresa (8,1%).

O componente de Expectativas do Empresário do Comércio também obteve o terceiro avanço consecutivo, com crescimento de 3,5%, para 152,4 pontos. Houve melhoras nas expectativas para a economia (alta de 4,5%), o setor (3,2%) e a empresa (2,7%).

O componente de Intenções de Investimentos teve expansão de 3,6% em junho ante maio, para 109,8 pontos, devido a avanços também em todos os itens: contratação de funcionários (4,2%), empresa (6,0%) e estoques (0,5%).

Segundo a CNC, o aumento nas vendas a despeito da inflação persistente e dos juros elevados melhorou a percepção dos comerciantes, que preveem um segundo semestre favorável para o setor. As medidas de injeção de recursos, como o Auxílio Brasil e os saques extraordinários do FGTS, seguem produzindo efeitos positivos no consumo e viabilizando o pagamento de dívidas, apontou a economista Izis Ferreira, responsável pelo levantamento da CNC.

"Com o ticket médio das vendas correntes mais baixo, o comércio aposta na recorrência das compras e na substituição de marcas caras, o que também explica o bom desempenho das vendas no contexto da disseminação da alta dos preços aos consumidores", justificou Ferreira.

O Icec mostra ainda que as expectativas positivas dos varejistas de grande porte para os próximos meses saltaram entre abril e junho deste ano, de 143,8 pontos para 150,6 pontos, o que pode sinalizar uma tendência para o setor como um todo, diz a CNC.

"Os números indicam que, na visão desses varejistas, o desempenho da economia, do comércio e das próprias empresas será melhor na segunda metade do ano", afirmou Ferreira.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;