Fechar
Publicidade

Sábado, 13 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Espanha pede à Otan que amplie vigilância no flanco Sul da Europa



26/06/2022 | 10:43


A invasão russa da Ucrânia dominará a próxima cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), em Madri, mas a Espanha e outros Estados-membros solicitam discretamente à aliança que analise como os mercenários aliados ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, estão expandindo a influência de Moscou na África.

Como anfitriã do encontro que será realizado de terça a quinta-feira desta semana, a Espanha quer intensificar sua proximidade com a África enquanto pressiona por mais atenção ao flanco sul da Europa, em um novo documento que detalha a visão da Otan sobre seus desafios e tarefas de segurança.

O Conceito Estratégico é o documento de trabalho mais importante da Otan após o Tratado do Atlântico Norte de 1949, que continha a cláusula-chave de que um ataque a um membro é considerado um ataque a todos. A análise de segurança é revisada aproximadamente a cada década para reajustar a agenda de segurança do Ocidente.

A versão atual, aprovada em Lisboa em 2010, avaliou o risco de guerra convencional no território da Otan como "baixo". Não mencionou explicitamente as preocupações com a instabilidade na África. Na época, a aliança via a apatia como sua principal ameaça militar: as reclamações dos Estados Unidos de que alguns membros europeus não estavam pagando sua parte foram responsáveis por grande parte das conversas nas cúpulas.

Doze anos depois, a visão da sede da Otan, em Bruxelas, é muito diferente. Após a Rússia ter aproximado a guerra da fronteira oriental da Otan, a aliança trabalhou para fornecer à Ucrânia uma série de armas mais poderosas e evitar o risco muito real de ser arrastada para os combates.

Mas, antes da cúpula de Madri, parece haver um consenso entre os membros de que, embora a Rússia continue sendo sua principal preocupação, a aliança deve continuar a ampliar sua visão global. A posição da Espanha de que deve ser dada mais atenção ao "sul" é compartilhada por Reino Unido, França e Itália.

Para eles, os desafios de segurança na África vêm de um Putin aparentemente com a intenção de restaurar a glória imperial da Rússia, bem como de uma China em expansão. A Rússia ganhou impulso através de sua presença mercenária na região do Sahel, uma extensão semiárida que se estende do Senegal ao Sudão, afetada pela instabilidade política, pelo terrorismo e pelas secas.

"Sempre que me encontro em redes ministeriais na OTAN, o apoio dos aliados é total nesse assunto. Por causa da instabilidade que vem do sul até as fronteiras da Aliança, e especialmente a instabilidade causada pelas diversas crises que estão ocorrendo no Sahel", disse o Ministro das Relações Exteriores da Espanha, José Albares.

O Kremlin nega ter vínculos com o Grupo Wagner, uma organização mercenária com presença crescente no norte da África, na África Central e no Oriente Médio. A empresa militar privada, que também esteve envolvida na guerra na Ucrânia, consolidou sua presença em Líbia, Mali, Sudão e República Centro-Africana.

Em Mali, os soldados do Wagner preenchem o vácuo deixado pela saída da potência colonial, a França. No Sudão, a oferta da Rússia de uma aliança econômica valeu a eles a promessa de uma base naval no Mar Vermelho. Na República Centro-Africana, os combatentes do grupo protegem as minas de ouro e os diamantes do país. Em troca, Putin obtém aliados diplomáticos e recursos.

(Com Associated Press)



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;