Fechar
Publicidade

Domingo, 14 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Vazamento de operação por Bolsonaro é usada contra e a favor do presidente



25/06/2022 | 10:20


Poupado inicialmente do inquérito sobre o gabinete paralelo de pastores no Ministério da Educação (MEC), o presidente Jair Bolsonaro (PL) corre o risco de ser alçado a investigado formal no caso depois que a Polícia Federal (PF) encontrou indícios de que ele interferiu na investigação.

Em uma conversa telefônica interceptada, o ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, indicou ter sido alertado pelo presidente sobre o risco de abrirem buscas contra ele. "Ele (Bolsonaro) acha que vão fazer uma busca e apreensão em casa", afirma. A ligação, com a filha, é interrompida tão logo ela informa que está ligando do "celular normal". "Ah é? Ah, então depois a gente se fala", responde Milton Ribeiro. A resposta chamou atenção dos investigadores, que desconfiam que o ex-ministro sabia que estava sendo grampeado e poderia estar usando números de telefone alternativos.

Use as setas para cima ou para baixo para aumentar ou diminuir o volume.

As suspeitas levaram a Procuradoria da República no Distrito Federal a pedir o envio do processo de volta ao Supremo Tribunal Federal (STF), para que seja investigada "possível interferência ilícita" de Bolsonaro, o que foi autorizado pelo juiz Renato Borelli, da 15.ª Vara Federal do Distrito Federal, que recebeu o processo depois que Milton Ribeiro deixou o governo. O então ministro da Educação era o único investigado com foro privilegiado e sua exoneração fez com que o processo descesse para primeira instância.

Em abril, o procurador-geral da República, Augusto Aras, que pediu a abertura do inquérito, disse que não via elementos da "participação ativa e concreta" de Bolsonaro que pudessem justificar sua inclusão no rol de investigados. A palavra final para decidir se a ligação interceptada é suficiente para mudar o status do presidente é da ministra Cármen Lúcia, do STF, que ainda não se manifestou no processo. Não há regra nesse caso e ela não é obrigada a consultar a Procuradoria-Geral da República (PGR) antes de tomar uma decisão.

Competência

A ligação, de menos de dois minutos, foi feita no dia 9 de junho e a transcrição da interceptação foi juntada ao processo no dia 13. Já a Operação Acesso Pago, que pegou o ex-ministro e os pastores lobistas do MEC, foi aberta na quarta-feira, 22, ou seja 13 dias após os primeiros indícios de interferência do presidente.

A defesa de Milton Ribeiro alega que a operação não poderia ter sido autorizada pelo juiz federal de primeira instância se o magistrado já tinha conhecimento da conversa.

"Causa espécie que se esteja fazendo menção a gravações/mensagens envolvendo autoridade com foro privilegiado, ocorridas antes da deflagração da operação. Se assim o era, não haveria competência do juiz de primeiro grau para analisar o pedido feito pela autoridade policial e, consequentemente, decretar a prisão preventiva", afirmam.

O argumento pode embasar um pedido para anular as provas obtidas a partir das buscas na operação. O juiz também autorizou a quebra dos sigilos bancários dos investigados e de empresas ligadas ao grupo.

Interferência

A ligação do ex-ministro com a filha não é a única que acendeu o alerta sobre uma possível interferência de Bolsonaro na investigação para vazar de informações a Milton Ribeiro. No dia da operação, a mulher do ex-ministro, Miryan Ribeiro, que também foi grampeada, disse a um interlocutor ainda não identificados pela PF que o marido "já estava sabendo".

"Ele estava, no fundo, ele não queria acreditar, mas ele estava sabendo. Eu falei: Pra ter rumores do alto é porque o negócio já estava certo", afirma ao comentar a prisão.

Após os áudios virem à tona, a oposição entrou com pedidos de investigação do presidente por violação de sigilo e obstrução da Justiça.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;