Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Entidades pedem afastamento de juíza que impediu criança estuprada de abortar

Solon Soares/Agência ALESC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


21/06/2022 | 20:05


A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) e a Marcha Mundial de Mulheres pediram ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nesta terça-feira, 21, o afastamento da juíza Joana Ribeiro Zimmer, que impediu uma menina de 11 anos de fazer um aborto após ter sido estuprada.

As entidades afirmam que a magistrada incorreu em "abuso institucional". "O que se visualizou no episódio foi todo o poder e aparato estatal voltando-se contra uma criança de dez anos", diz um trecho da representação.

A Corregedoria do CNJ abriu um procedimento disciplinar para analisar a conduta da juíza. As entidades, no entanto, dizem que o afastamento não pode esperar a conclusão do processo administrativo e deve ser imediato.

O caso foi revelado pelos sites Portal Catarinas e The Intercept Brasil. A juíza mandou a menina para um abrigo, impedindo que ela fosse submetida ao procedimento de interrupção assistida da gestação, como deseja a família. A lei permite o aborto em casos de violência sexual.

Em audiência com a criança, Joana tenta dissuadir a menina. Ela afirma que há diversas famílias na fila para adoção e pergunta se a menina "suportaria ficar mais um pouquinho com o bebê". Também se refere ao estuprador como "pai do bebê" e questiona se ele concordaria com a adoção.

A juíza deixou o processo na semana passada. Ela estava com a promoção prevista antes do caso vir a público e foi transferida de cidade.

A ABJD e a Marcha Mundial de Mulheres afirmam que Joana "usou métodos de terror psicológico" e constrangeu a criança. Também acusam violações ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e ao Código Penal.

"A sociedade não pode permitir, tampouco deixar escapar de seu institucional controle, a expressa vedação deste tipo de postura e de conduta praticadas no conforto do segredo de justiça que, ao que parece, não visa a proteger as partes e, sim, lamentavelmente, o abuso e a desumanidade das ações do Estado", ressaltam.

COM A PALAVRA, A JUÍZA

Em nota enviada à imprensa, por meio do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, a juíza Joana Ribeiro Zimmer disse que não vai se manifestar sobre a conduta na audiência e que a gravação foi "vazada" de "forma criminosa".

"Não só por se tratar de um caso que tramita em segredo de Justiça, mas, sobretudo, para garantir a devida proteção integral à criança", alega. A manifestação afirma ainda que "seria de extrema importância que esse caso continue a ser tratado pela instância adequada, ou seja, pela Justiça, com toda a responsabilidade e ética que a situação requer e com a devida proteção a todos os seus direitos e garantias constitucionais".



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;