Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 9 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Bolsonaro: 'Gostaria que o União Brasil estivesse comigo'

Divulgação/Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


31/05/2022 | 15:37


O presidente Jair Bolsonaro (PL) fez um aceno político nesta terça-feira, 31, ao União Brasil, legenda que é dona do maior fundo eleitoral e partidário do País: R$ 1 bilhão. "A decisão é interna do partido, mas gostaria que ele viesse conosco", disse.

O União Brasil lança hoje o deputado federal Luciano Bivar (PE) como pré-candidato à Presidência, mas já liberou filiados a apoiar Bolsonaro. Atualmente no comando do União Brasil, Bivar foi presidente do PSL, partido pelo qual Bolsonaro foi eleito nas eleições de 2018 e depois se desfiliou por divergências internas. O PSL se uniu ao DEM na formação do União Brasil.

De acordo com Bolsonaro, Luciano Bivar tinha "um sonho" de ser candidato a vice quando estavam no mesmo partido. "Agora (o sonho) de ser a voz (da legenda) e ser candidato a presidente", afirmou o pré-candidato à reeleição em entrevista ao apresentador Ratinho, na Massa FM.

Como mostrou o Estadão, integrantes do União Brasil dizem que receberam aval do partido para apoiar Bolsonaro logo no primeiro turno. Afirmam, ainda, que a ofensiva para ter Bivar como candidato reflete uma estratégia que tem como objetivo rachar a terceira via e auxiliar na tentativa de reeleição de Bolsonaro.

Na entrevista, o presidente disse que a terceira via "dificilmente" vai se viabilizar e minimizou o desembarque do ex-governador João Doria (PSDB), seu ex-aliado e atual desafeto, da corrida pelo Palácio do Planalto. "Não fazia diferença. Ele estava na casa de 1%. O eleitor que decide. Está polarizado, dificilmente teremos uma terceira via no Brasil. O eleitor do Doria que decide entre eu e o Lula", afirmou.

Embora tenha citado porcentual de Doria, o chefe do Executivo ainda repetiu que não acredita em pesquisas de intenção de voto. "Existe algum interesse nisso tudo. A gente luta dentro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para que as eleições sejam realizadas sem qualquer sombra de irregularidades.".

"Entendo que o TSE deveria não brigar comigo, mas fazer audiência pública com técnicos das Forças Armadas para dizer quem tem razão", acrescentou Bolsonaro, sobre os questionamentos dos militares a respeito da urnas eletrônicas.

O TSE reafirmou a segurança do sistema brasileiro e já classificou os questionamentos dos militares como "opinião".

De acordo com Bolsonaro, sua segurança pessoal teme uma nova facada ao longo da eleição. "Tentamos desvendar o atentado em 2018, mas há uma rede de proteção em cima do Adélio Bispo", afirmou, sem apresentar provas.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;