Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Leia com os dedos cruzados

Claudinei Plaza/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Há quem acredite que determinados rituais, como evitar passar por baixo de uma escada ou entrar num lugar com o pé esquerdo, atraiam sorte – ou azar


Beatriz Mirelle
Especial para o Diário

29/05/2022 | 09:30


Acreditar na sorte que um trevo de quatro folhas pode trazer ou no azar de uma sexta-feira 13. Desvirar o chinelo, dar três pulinhos quando perder algo ou evitar passar embaixo de uma escada. Seja qual for a crença, elas se chamam superstições. Mas o que significa essa palavra, que pode enrolar a língua na hora de ser pronunciada?

"É quando você acredita em uma coisa que não é muito verdade, mas dá certo", explica Gabriela Sesso, 12 anos. Para Mariana Lulo, 11, "é aquela coisa que dá sorte".

O médico psiquiatra Rodrigo Martins Leite, coordenador da Telemedicina e Relações Institucionais do IPq (Instituto de Psiquiatria) do HC-FMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), explica que as superstições são uma forma de pensamento mágico em que as pessoas acreditam ter o poder de influenciar certos acontecimentos do dia a dia. "Geralmente, elas têm a função de obter resultados dentro das expectativas e dos desejos de cada um", comenta.

"Os dias em que estou com minha meia da sorte sempre são bons", afirma Gabriela. "(A meia) é simples, cinza e sem muitos desenhos. Uma vez usei para fazer a prova de ciências e tirei 10." A garota, que também tem uma camisa verde neon da sorte, acredita que é necessário escolher o momento certo para receber essa ajuda do universo. "Depende do que você precisa. Alguns rituais, como lavar o rosto antes de começar a escrever ou tomar três goles de água, ajudam a ter uma nota boa", aconselha.

As superstições costumam ser passadas de geração em geração, contadas por avós, tios, pais, primos ou, até mesmo, amigos. Cada pessoa também pode criar a sua própria.

A mãe da Mariana a ensinou que não pode passar debaixo de escadas para que nada dê errado. "Aprendi com ela várias coisas. Neste ano, meu número da sorte é o 11, minha idade. Quando eu fizer aniversário, vai ser o 12.

" Além disso, elas podem aparecer a qualquer momento, em qualquer lugar. No caso do Gabriel Monaro, 12 anos, surgiu durante um jogo de futebol do seu time favorito. "Minha mãe fala que é besteira, mas eu não acho." Uma vez, enquanto assistia a uma partida do Corinthians, o pai do Gabriel colocou uma música para tocar. Quando a canção começou, o Corinthians fez um gol. "Não acreditei. Falei: ''toca de novo'' para ver se dava certo. Não deu, mas acredito que a música trouxe a vitória e peço para ele colocar de novo sempre que o jogo começa." Pois é, nem sempre funciona. Mesmo assim, o Gabriel afirma que não custa nada tentar.

Nas provas, ele também tem algumas táticas. "Nunca começo pela primeira pergunta. Eu embaralho e escolho responder questões de número par, como dois, quatro, seis, oito, dez etc."

O OUTRO LADO DA MOEDA

Já o azar... cruz-credo, bate na madeira três vezes, é bom até evitar essa palavra. O Gabriel não acredita nisso e até brinca com a sorte. "Não ligo para a sexta-feira 13. Muita gente fala que tenho que entrar nos lugares com o pé direito. Eu faço o contrário. Piso com o pé esquerdo porque sou canhoto.

" Apesar de estarem nas rotinas de diversas pessoas, é preciso ter cuidado! As superstições podem tanto reduzir quanto aumentar a ansiedade. "A função cultural é nos acalmar, manter a esperança em algo positivo. Se ficamos muito ligados a elas, acabamos ocupando tempo e aumentamos a preocupação com coisas que podem nos distrair do que realmente deveríamos fazer", alerta Martins. "Alcançar conquistas depende do nosso empenho e de outros fatos que não podemos controlar", complementa o médico psiquiatra.

ORGANIZAÇÃO SECRETA

Na nova animação da Apple TV+ em parceria com a Skydance Animation, a Sorte e o Azar são dois departamentos de uma organização secreta. Essa instituição está aberta há anos e influencia as vidas de todos. Em Luck (em portugues, significa Sorte), Sam Greenfield, a humana mais azarada do mundo, desvenda como funciona cada parte da empresa.

O filme estará disponível na plataforma de streaming em 5 de agosto. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;