Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 28 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

56% dizem ser preciso levar a sério ameaças golpistas de Bolsonaro, diz pesquisa



28/05/2022 | 11:30


Pesquisa Datafolha publicada neste sábado mostra que 56% dos entrevistados acreditam que as ameaças sobre as eleições e declarações do presidente Jair Bolsonaro contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) precisam ser levadas a sério. Outros 36% afirmam que as ameaças de Bolsonaro não terão consequências e 8% disseram não saber opinar.

Entre os eleitores de Bolsonaro, 57% acreditam que as ameaças devem ser consideradas pelas instituições no País. Uma parcela de 34% respondeu que as declarações não terão consequências e outros 9% não souberam opinar. Entre os eleitores do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, também 57% afirmam que as ameaças devem ser levadas a sério, enquanto 37% dizem que as ameaças não terão consequências e 5% disseram não saber opinar.

No grupo de entrevistados de 16 a 24 anos, 14% da amostra da pesquisa, 67% avaliam que as ameaças precisam ser consideradas. Já entre os entrevistados com mais de 60 anos, uma maioria de 46% vê a necessidade de serem consideradas as ameaças golpistas do presidente.

O Datafolha também questionou os eleitores se os ataques de Bolsonaro ao sistema eleitoral atrapalham as eleições. Do total, 60% disseram que atrapalham, sendo que 39% afirmam que atrapalham muito e 21% dizem atrapalhar um pouco. Uma parcela de 37% acredita que as declarações não atrapalham as eleições e 3% não souberam opinar.

Entre os eleitores de Bolsonaro, um porcentual de 69% dos entrevistados afirmam que as ameaças não atrapalham o pleito, enquanto 73% dos eleitores de Lula acreditam que as declarações golpistas do presidente afetam as eleições.

Questionados sobre a atuação das Forças Armadas na contagem dos votos, 58% dos entrevistados defenderam a participação dos militares, sendo que 45% dizem concordar totalmente e 13% em parte. Outros 40% discordam da atuação das Forças Armadas nas eleições, sendo que 33% discorda totalmente e 7% discorda em parte. Uma parcela de 1% não concorda e nem discorda e outros 2% não souberam opinar.

Entre os eleitores de Bolsonaro, 81% concordam com a participação dos militares na contagem dos votos. Na parcela de eleitores de Lula se sobressai o porcentual dos que não concordam com a atuação das Forças Armadas no pleito eleitoral, representando 49% do total.

A pesquisa Datafolha ouviu 2.556 eleitores em 181 cidades de todo o País, entre os dias 25 e 26 de maio. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou menos. O levantamento está registrado no TSE sob o número BR-05166/2022.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;