Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Juros voltam aos ajustes no fim do dia após engatarem queda durante a sessão



27/05/2022 | 17:52


Os juros futuros fecharam a sessão perto da estabilidade, em dia de agenda e noticiários esvaziados no Brasil. Chegaram até embalar um movimento de baixa entre o fim da manhã e o meio da tarde, durante os melhores momentos de Wall Street e de mínimas do dólar, mas na última hora de negócios zeraram a queda e voltaram aos ajustes da quinta-feira. Do mesmo modo, os níveis de inclinação pouco se alteraram no balanço da semana, que foi marcada pela ata do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), pelo IPCA-15 de maio acima do consenso e aprovação do projeto que fixa limite de 17% para a cobrança de ICMS de energia, combustíveis, telecomunicações e transportes, na Câmara.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 fechou em 13,33%, de 13,35% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2024 passou de 12,80% para 12,795%. O DI para janeiro de 2025 teve uma alta moderada, definida no momento dos ajustes, encerrando com taxa de 12,13%, de 12,079%. A do DI para janeiro de 2027 terminou em 11,93%, de 11,909%.

O estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno, lembra que, além da agenda local sem destaques, os dados nos Estados Unidos nesta sexta vieram relativamente dentro do esperado, endossando a mensagem da ata do Federal Reserve. "O Fed não parece estar convencido da necessidade de levar o juro para acima do neutro", comentou. Foram divulgados pela manhã os dados de renda e gastos com consumo, e do índice de preços (PCE, em inglês), cujo núcleo ficou em linha com o esperado.

No Banco Original, os economistas Marco Caruso e Eduardo Vilarim destacam, na avaliação da semana, a redução no juro futuro nos EUA, que abriu espaço para alívio interessante nos prêmios da ponta longa da curva local. "A Treasury de 10 anos, por exemplo, abriu o mês próxima a 3,00% e flerta com o 2,70% hoje", afirmam.

Segundo os profissionais, o recuo vem essencialmente da inflação implícita na curva, que cede em todos os vértices até o vencimento de 30 anos. "O movimento fica mais interessante se considerarmos que a maioria das commodities acumulam alta em maio, com exceção das metálicas", dizem.

Na ponta curta do DI, a dinâmica deve ficar limitada enquanto não houver novidades sobre o fim do ciclo de aperto da Selic. "A curva já tem uma precificação agressiva de que o BC não vai conseguir encerrar em junho, então a parte curta fica engessada", afirma Rostagno.

Segundo ele, a precificação está bem ajustada para alta de 50 pontos no Copom de junho, enquanto para o Copom de agosto a curva projeta 32 pontos-base e 8 pontos em setembro, com Selic terminal de 13,64%.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;