Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301

Fim dos cookies: entenda como isso mudará os rumos da internet

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação
Do 33Giga

27/05/2022 | 11:55


*Por Rafael Rez // O anúncio do Google sobre decretar o fim dos cookies de terceiros em seu navegador a partir 2023 irá colocar a pedra que faltava na sepultura das conversões fáceis e baratas para o planejamento das marcas nas mídias digitais.

Leia mais:
Os 50 melhores animes de todos os tempos
Shounen, Shoujo e mais: as diferenças na classificação de animes
Site transforma fotos em desenhos no estilo anime

Em geral, a ação do fim dos cookies de terceiros do gigante das buscas irá basicamente destruir uma das maiores vantagens das plataformas de anúncio na internet: as segmentações de público por meio de dados fornecidos pelos usuários ao acessar conteúdos em um site.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Agora, com o fim dos cookies de terceiros, a disponibilidade desses dados será muito menor e dificultará o trabalho de anunciantes e agências de marketing e publicidade.

Apesar de estar previsto para acontecer no ano que vem, o Google já vem criando um processo de mudança na plataforma e as opções de segmentação estão sumindo gradativamente. Com base nisso, o mercado precisa buscar novos caminhos para contornar o fim dos cookies de terceiros .

Considerando os conceitos e estratégias de marketing, as melhores alternativas para continuar garantindo bons resultados no e-commerce se voltarão ao que sempre deveriam ter sido: pensar mais na jornada do cliente, criar conteúdos melhores e campanhas mais inteligentes, que captem a atenção do consumidor no topo do funil e não apenas no momento da conversão.

Em geral, o caminho para continuar no rastro dos consumidores e manter as vendas em alta passa pelos fundamentos de marketing de varejo: criar conteúdo de valor, investir em branding, investir em qualidade de produto e em qualidade de atendimento, que sempre foram focos de marketing de empresas que querem competir no longo prazo.

Além disso, o próprio Google está criando alternativas proprietárias para minimizar a crise do fim dos cookies de terceiros, como a FLoC (Federated Learning of Cohorts), que é um tipo de rastreamento da web para desindividualizar os dados dos usuários, no entanto, esse não é o único caminho.

A tendência é que cada bigtech crie sua própria forma de rastreamento. O Facebook implementou a API de conversões, a Apple fechou seu ecossistema a partir do iOS 14, a Amazon disputa espaço entre os cinco principais canais de mídia online nos EUA.

A realidade é que essas ações pouco tem relação com privacidade como vem sendo anunciado. Privacidade é só uma desculpa bonita. Isso tem relação com deter dados de clientes e monetizar essas informações em ecossistemas fechados. A pressão da LGPD na União Européia também tem sido forte sobre as BigTechs.

Com o cenário atual de proteção de dados, as marcas não podem mais depender apenas do digital. Quem depende apenas de mídia pode chorar ou mudar de mentalidade, pois a proteção de informações será cada vez maior, o custo de mídia continuará crescendo a cada ano e a dependência de plataformas externas se tornará um risco. Não há como evitar esse impacto, é preciso amadurecer a estratégia. É preciso investir em branding, na criação de relacionamento com os clientes e em canais proprietários.

As marcas que realmente entendem o ecossistema digital como um todo já investem em canais proprietários há muito tempo, como sites, blogs, apps, e-mail marketing, CRM e outras iniciativas de contato e relacionamento com leads e clientes que não dependem de mídia. Esse é o caminho.

É por todas essas questões que os empreendedores e anunciantes devem entender que realmente acabou a era das conversões fáceis e baratas. O trabalho ficará mais difícil, mais caro e mais complexo.

Não adianta criar apenas campanhas de venda direta, é preciso ser mais estratégico e aprender a chamar atenção, desenvolver percepção de marca para então fechar um negócio.

Num ambiente competitivo e multifacetado como o digital, depender de uma única mídia é um risco que ninguém pode correr.

*Rafael Rez é estrategista em marketing digital, acumula experiência com mais de 1.200 clientes desde 1998 e é autor do livro Marketing de Conteúdo: A Moeda do Século XXI. O executivo também é fundador e CMO da Web Estratégica, empresa de consultoria especializada em Marketing de Conteúdo e SEO.

 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;