Fechar
Publicidade

Domingo, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Programa da Defesa para Amazônia passou a comprar caminhão de lixo



27/05/2022 | 08:02


Tocado pelos militares na Amazônia, o Programa Calha Norte se tornou mais um setor do governo de Jair Bolsonaro usado na distribuição de caminhões de lixo e outros veículos pesados a pequenos municípios.

No ano passado, o programa criado em 1985 para atuar na defesa e soberania da região de fronteira passou a realizar licitações milionárias a pedido de políticos do Centrão, com suspeitas de esquemas de empresas controladas por "fantasmas". Como revelou o Estadão, a distribuição de caminhões de lixo disparou no atual governo. Levantamento feito pela reportagem identificou R$ 109 milhões em pregões com indícios de superfaturamento.

Em 2021, o Departamento do Programa Calha Norte, órgão que funciona dentro do Ministério da Defesa, planejou gastar R$ 4,2 milhões só com caminhões de lixo. Era a estreia do programa na modalidade de compra. As aquisições estavam previstas em pregões para a compra de outros mais de 200 veículos pesados, como caminhonetes, caminhões caçamba e ônibus, com valor total de R$ 96 milhões.

Desde 2003, o Calha Norte tem se afastado de seu propósito, que se limitava à defesa da região de fronteira dos Estados do Amazonas, Roraima, Amapá e Pará. A partir da aliança de Bolsonaro com o Centrão, o programa passou a atender, em especial, demandas de políticos. O ápice dessa mudança ocorreu com a decisão do governo de incluir o Tocantins na área de abrangência, um Estado distante da calha do Amazonas. Tratava-se de um pleito pessoal do senador Eduardo Gomes (MDB-TO), líder do governo no Congresso.

Empresas

Uma das vencedoras de licitação do Calha Norte para oferta de caminhão de lixo foi a Globalcenter Mercantil Eireli, com um lote de 84 veículos por R$ 18,9 milhões. Como mostrou o Estadão, a firma está registrada em uma casa tomada pelo mato em Goiânia (GO).

À reportagem, a assessoria de Eduardo Gomes afirmou que o senador pleiteou a inclusão de Tocantins no Calha Norte porque o Estado "fica na região Norte e por isso está inserido no objetivo do programa". Sobre os critérios para direcionar verbas a municípios, disse que "a formulação das políticas do Programa Calha Norte é de responsabilidade do Ministério da Defesa".

Em nota, o Ministério da Defesa afirmou que não faz as compras, e que os pregões são para que Estados e municípios possam utilizá-los. A Defesa disse ainda que os recursos do programa são oriundos de emendas parlamentares e que "cabe exclusivamente aos parlamentares" indicar obras e equipamentos que serão realizados. O Palácio do Planalto não se manifestou.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;