Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 9 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

'As big techs não são melhores do que a gente' diz presidente da Feninfra



26/05/2022 | 08:48


A presidente da Federação Nacional de Call Center, Instalação e Manutenção de Infraestrutura de Redes de Telecomunicações e de Informática (Feninfra), Vivien Suruagy, está em uma cruzada contra as gigantes da tecnologia, chamadas de big techs - empresas como Google, Netflix e Meta (dona do Facebook). Vivien quer que elas sejam tão tributadas e regulamentadas quanto as telecomunicações no Brasil.

Segundo ela, enquanto o setor contribui com mais de R$ 60 bilhões de impostos por ano, muitas dessas empresas de tecnologia nem sequer têm sede no Brasil, o que as faz pagar menos ao Fisco. Além disso, na visão de Vivien, é preciso mudar a regulação. "Não podemos ser contra a digitalização e desenvolvimento, mas quero que mudem as regras e que fique igual para todo mundo."

Confira, abaixo, os principais trechos da entrevista:

A Feninfra tem se posicionado contra o que considera uma assimetria que as grandes empresas de tecnologia têm em comparação às empresas brasileiras.

Nosso setor tem 110 obrigações regulatórias para cumprir. A comparação que eu faço é a seguinte: imagine duas pessoas que vão trabalhar em uma empresa. Uma delas é liberada para ir ao escritório de bermuda e chinelo, enquanto a outra precisa ir de sapato Chanel e vestido Gucci. Obviamente que a segunda terá muito mais gastos do que a primeira. É isso o que acontece no setor, pois temos obrigações que, apesar de terem fundamento, também têm custo. E não podemos aceitar essa questão de assimetria entre as big techs e as empresas de telecomunicações.

Quais obrigações atrapalham o desenvolvimento do setor?

As empresas de telecomunicações precisam cuidar da satisfação do cliente, questões concorrenciais, direito do consumidor, têm prazos determinados para o atendimento, além das regras de cibersegurança e qualidade do serviço. As big techs, por sua vez, não são obrigadas a seguir uma regulamentação. A única coisa que eu vejo que elas são obrigadas a se adequar é a Lei Geral de Proteção de Dados e o Marco Civil da Internet. E tem a questão da infraestrutura.

Qual seria essa questão?

Essas empresas digitais passaram a trafegar seus serviços digitais na infraestrutura das operadoras e não pagam nada por isso. Ou seja, deixam todos os custos de investimentos para as empresas de telecom. Se eles estão trafegando por voz, dados e imagem, por que não vão ser consideradas como empresas de telecomunicações? Só porque são grandes grupos internacionais?

Vocês também pedem uma equalização na tributação. Quanto o setor paga atualmente?

Enquanto a Netflix, por exemplo, paga apenas o Imposto Sobre Serviços (ISS), nós pagamos o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que tem uma diferença muito grande. No nosso setor, o pagamento médio anual de impostos é de R$ 60 bilhões, tendo em vista todas as esferas, fundos setoriais, Ancine e um monte de coisas. A nossa média de tributos é de 47,5% e pode chegar até a 59,7%.

Mas vocês querem aumentar os impostos e obrigações sobre as big techs ou que diminuam os do setor em que atuam?

Não podemos ser contra a digitalização e desenvolvimento, mas quero que as regras fiquem iguais para todo mundo. E o detalhe é que essas companhias só pagam o ISS quando elas faturam no Brasil, e muitas delas estão com suas sedes fora do País. Eles não são melhores do que a gente.

Quais movimentações a sra. destacaria?

Na Coreia do Sul, por exemplo, já está acontecendo uma movimentação contra esse poder das big techs por meio de uma revisão da legislação. Lá, elas são obrigadas a garantir a estabilidade da rede e auxiliar nos custos, afinal são elas que mais utilizam a infraestrutura. Estudos mostram que, até 2027, cerca de 50% de toda a rede será ocupada por streaming. E somente nós que vamos custear isso? Na Europa também estão discutindo e buscando posicionamentos formais das empresas sobre esse problema.

E como está essa discussão no Brasil?

Precisamos de uma integração maior do Legislativo com o Executivo, do contrário vamos ter problema para encontrar uma forma de diminuir esse desequilíbrio. A discussão ainda é incipiente, mas no Congresso há o projeto de lei das fake news, que tem alguns pontos positivos, como a obrigação das plataformas de redes com mais de 10 milhões de usuários terem representação local.

Em quanto tempo podemos ter algum tipo de definição a respeito disso?

Os outros países tiveram essas redes mais cedo e se mobilizaram para discutir esse assunto. Mas acredito que em dois anos, no máximo, vamos ter esse assunto definido (no Brasil).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;