Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 28 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Justiça nega acesso do 'Estadão' aos gastos de Bolsonaro com cartão corporativo



25/05/2022 | 19:41


O juiz federal Marco Aurelio de Mello Castrianni, do 1ª Vara Cível Federal de São Paulo, barrou o acesso do Estadão aos gastos registrados no cartão corporativo do presidente Jair Bolsonaro (PL). A sentença acabou impedindo que um recurso do jornal ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) fosse analisado em caráter liminar.

Na longa batalha judicial, o Estadão já havia obtido uma liminar do Tribunal Regional Federal de São Paulo (TRF-3) para ter acesso à documentação dos gastos do Planalto cartão corporativo. O governo recorreu, e o presidente do STJ, ministro Humberto Martins, suspendeu a liminar do TRF-3, impedindo o acesso aos documentos. O Planalto argumentou que dados fundamentais para a segurança da Presidência poderiam ser expostos antes do julgamento definitivo da ação.

O jornal apelou e o que seria examinado pela Corte especial do STJ. Antes porém, o juiz federal emitiu a sentença de mérito ainda na primeira instância, o que prejudicou a análise da liminar pelo STJ.

Na decisão, o juiz responsável pelo caso escreveu que as sucessivas negativas da Secretaria-Geral do Governo aos pedidos do Estadão foram feitas "em conformidade com a legislação vigente". Para Castrianni, a posição da Presidência contra a transparência dos gastos públicos e o acesso à informação por jornalistas não configura "qualquer ilegalidade ou irregularidade passível de correção pelo Poder Judiciário". A Constituição define a transparência como princípio da administração pública.

"Não pode o Poder Judiciário, que atua como legislador negativo, avançar em questões a respeito das quais não se vislumbra a suposta ilegalidade, sob pena de ofensa ao princípio da separação dos poderes e às rígidas regras de outorga de competência impositiva previstas na Constituição Federal", justificou Castriani.

O advogado do Estadão, Afranio Ferreira, destaca o fato de a decisão de primeira instância ter sido dada exatamente no momento em que o tribunal superior julgou o caso.

"Inimaginável a coincidência. No dia em que a liminar iria finalmente ser julgada, no STJ, sai uma sentença, vaguíssima, de improcedência da ação, impossibilitando o julgamento pelo STJ. O Estadão seguirá na ação, para ver reconhecido o direito mais primário do contribuinte, de saber como é gasto o seu dinheiro", disse.

O valor geral dos gastos com cartão corporativo é divulgado no Portal da Transparência, mas o governo se nega a esclarecer que produtos e serviços são comprados. Em gestões anteriores, o dinheiro contido neste dispositivo era usado para custear despesas comuns, como compras em supermercados. Ou seja, o Palácio do Planalto impõe sigilo e se recusa a descrever gastos que tendem a ser supérfluos. Nos quatro primeiros meses de 2020 a fatura presidencial atingiu a marca de R$ 3,76 milhões, segundo informações do Portal da Transparência.

O montante gasto no início de 2020 representa um aumento de 98% em relação à média dos últimos cinco anos no mesmo período. Neste ano, os gastos presidenciais já somam R$ 8,9 milhões.

Além de custear as despesas de Bolsonaro e do vice-presidente, Hamilton Mourão, o cartão corporativo pode ser usado para bancar gastos dos familiares dos chefes do Executivo. Existem atualmente oito portadores de cartões vinculados à Presidência. Por ser um dispositivo discricionário, o presidente também pode usá-lo para executar políticas públicas. O governo argumenta que a expansão dos gastos em 2020 ocorreu por causa do uso do cartão para financiar a viagem de resgate de brasileiro em Wuhan, na China, durante a primeira onda de covid-19.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;