Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 28 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

STJ tranca ação contra homem por ganhar R$ 3,70 com venda de bilhetes do Metrô



25/05/2022 | 18:37


Os ministros da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça determinaram o trancamento de uma ação contra um homem acusado de estelionato, com 'vantagem indevida' de R$ 3,70, pela venda de passagens estudantis do Metrô de São Paulo pelo valor do bilhete comum.

Por unanimidade, o colegiado seguiu parecer da relatora, ministra Laurita Vaz, e acolheu recurso da defesa do homem, que pedia o reconhecimento do princípio da insignificância no caso.

De acordo com a denúncia, o homem comprou, em nome de seus filhos, três bilhetes estudantis de transporte público integrado pelo preço unitário de R$ 2,15, metade do valor integral, e os vendeu por R$ 4,00.

A acusação narrou que um dos bilhetes foi usado duas vezes e os outros dois foram utilizados uma vez cada, resultando em 'vantagem' de R$ 3,70 e prejuízo de R$ 4,30 à SPTrans.

O caso chegou ao STJ em setembro de 2021, quando a defesa recorreu da decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo que aceitou a denúncia de estelionato. Os advogados do réu pediam que fosse reconhecida a aplicabilidade do princípio da bagatela no caso, determinando o trancamento da ação penal.

Em fevereiro, a ministra Laurita Vaz negou pedido liminar - decisão provisória dada em casos urgentes - feito pela defesa, por considerar que não havia 'ameaça direta' à liberdade de locomoção do réu.

À época, a magistrada entendeu que não se presumia, 'ainda que fosse iminente a prolação de sentença, que o juiz de primeiro grau decretaria sua prisão processual antes do trânsito em julgado de eventual condenação'.

De acordo com o STJ, o resultado do julgamento foi comunicado ao TJ-SP para cumprimento imediato. A audiência de instrução da ação estava marcada para o próximo mês.

A decisão que recebeu a denúncia, em primeiro grau, foi proferida pela juíza Cynthia Maria Sabino Bezerra Camurri, em maio de 2021. De acordo com o despacho, a magistrada não viu motivos que determinasse a absolvição sumária do acusado.

Além disso, Cynthia Maria chegou a afirmar que 'não havia que se falar' em aplicação do princípio da insignificância no caso: "É entendimento deste Juízo que adotar-se tal tese seria o equivalente a 'autorizar' a prática de pequenos delitos, o que seria um verdadeiro absurdo, estimulando-se a criminalidade em detrimento do cidadão de bem e cumpridor de suas obrigações e deveres".

Antes de acolher a acusação do Ministério Público, a juíza chegou a instar a Promotoria a se manifestar sobre a vontade da defesa de fechar um acordo de não persecução penal - oferecido em casos de infração penal sem violência ou grave ameaça e com pena mínima inferior a quatro anos. No entanto, segundo os autos, o MP recusou o benefício.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;