Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 30 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Taxas longas de juros sobem com dólar e receio fiscal no projeto do ICMS



25/05/2022 | 18:08


Os juros futuros fecharam a quarta-feira estáveis nos vencimentos de curto e médio prazos e em alta nos longos. A atenção do mercado esteve dividida entre o câmbio, onde o dólar esteve em alta na maior parte da sessão, e o noticiário relacionado ao projeto que limita a incidência do ICMS sobre energia e combustíveis, com impacto no trecho longo. O texto pode ser votado ainda nesta quarta na Câmara e implica, por um lado, importante alívio inflacionário, mas, por outro, efeito fiscal negativo. A ata do Federal Reserve, destaque da agenda, veio conforme o esperado, com reação discreta dos ativos.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 fechou estável ante o ajuste anterior, em 13,415%, e a do DI para janeiro de 2024 encerrou em 12,965% (13,001% na terça). O DI para janeiro de 2025 terminou com taxa de 12,28%, de 12,259%, e o DI para janeiro de 2027, a 12,09%, de 12,009%.

Após a repercussão negativa do IPCA-15 de maio acima do consenso na terça nos contratos até o miolo da curva, nesta quarta a movimentação foi mais concentrada nos vértices a partir de 2025. O operador de renda fixa da Mirae Asset Paulo Nepomuceno viu o câmbio como a principal referência para a curva. "O dólar está subindo de forma generalizada e deixando a sensação de que o prêmio de risco para emergentes tem de ser maior", disse. Após tocar a casa de R$ 4,86 nas máximas, o dólar perdeu força no meio da tarde, contribuindo para também reduzir o impulso de alta dos juros longos.

Os mercados tiveram uma reação inicialmente morna à ata, mas depois valorizaram o fato de que o documento não mencionou risco de aceleração no ritmo de aperto monetário para além de 0,5 ponto porcentual. Os Treasuries permaneceram comportados, sem influenciar a curva local.

Para o gestor de renda fixa da Sicredi Asset, Cassio Andrade Xavier, o principal vetor do dia para o mercado de juros foi a evolução do projeto do ICMS, que estabelece um teto de 17% sobre energia elétrica, combustíveis e gás natural. "Pode representar uma piora fiscal, fazendo preço na inflação (NTN-B) principalmente, mas também no DI", afirmou.

A despeito do alívio inflacionário que o projeto original poderia trazer - algumas casas calculam em até 1,5 ponto porcentual para 2022 -, há preocupação com a fonte de compensação para a perda de receitas, que é também o ponto de conflito com os governadores e prefeitos.

Com a sessão regular já encerrada, o relator deputado Elmar Nascimento (União Brasil-BA) concedeu entrevista coletiva, na qual disse que negociou com parlamentares que a União compense os entes regionais quando a perda global de arrecadação com o ICMS for superior a 5%, medida que pode facilitar a tramitação do texto. Esse gatilho será temporário e deixará de valer depois de seis meses, em uma espécie de "período de transição". Nascimento disse que a compensação será feita por meio de abatimento da dívida desses entes com a União. Ainda, afirmou que vai incluir na lista também o querosene de aviação.

A expectativa é de que o projeto seja votado ainda nesta quarta no plenário da Câmara.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;