Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Trabalhadores do Metrô de SP aceitam proposta de reajuste e descartam greve



24/05/2022 | 22:16


A Assembleia do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, realizada nesta terça-feira, 24, decidiu aceitar a proposta para categoria e cancelou a greve que estava sendo chamada para esta quarta-feira, 25. A decisão foi tomada à noite, após votação online. Com isso, as linhas do Metrô vão funcionar normalmente.

Os participantes da assembleia aceitaram a proposta da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) de reajuste de 12,26% nas cláusulas econômicas (incluindo vale alimentação e refeição), que foi oferecida durante a reunião de tentativa de conciliação pré-processual no Tribunal Regional do Trabalho.

Além disso, o Metrô acertou o pagamento de dois "steps", um mecanismo que a empresa usa para buscar a isonomia salarial. O referente ao ano de 2020 será pago em 31 de agosto e o de 2021 será pago em 31 de janeiro de 2023. Essa foi mais uma vitória do sindicato, que vinha reclamando de muitos casos de metroviários que desempenham a mesma função e ganham salários diferentes.

A paralisação havia sido aprovada pelo sindicato no dia 12 de maio e entre as reivindicações estavam principalmente o reajuste salarial, a contratação de mais funcionários via concurso público e a isonomia salarial. "Queremos salário igual para trabalho igual. São muitos os casos de funcionários que exercem a mesma função mas recebem salários diferenciados", afirmou a entidade em uma carta aberta.

Em caso de greve, os passageiros que pegassem as linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata seriam afetadas. Já as linhas administradas em São Paulo por concessionárias da iniciativa privada, como as linhas 4-Amarela, 5-Lilás, 8-Diamante e 9-Esmeralda.

Se os metroviários não vão cruzar os braços, outra categoria importante está em estado de greve. Em assembleia realizada na segunda, 23, o Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo aprovou o indicativo de paralisação, o que significa que eles podem interromper o trabalho caso não avance a negociação com o sindicato patronal.

A categoria que reúne motoristas e cobradores de ônibus está insatisfeita e pede um reajuste salarial de 12,47% e participação nos lucros ou resultados no valor de R$ 2.500, entre outras reivindicações. Como as negociações avançaram pouco, não está descartada a possibilidade de greve nos próximos dias.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;