Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Lindôra quer arquivar notícias-crime contra Bolsonaro por fala racista a apoiador



24/05/2022 | 15:53


A vice-procuradora-geral da República Lindôra Maria Araujo pediu ao Supremo Tribunal Federal que arquive duas notícias-crime apresentadas contra o presidente Jair Bolsonaro em razão do episódio em que o chefe do Executivo, ao se dirigir um apoiador negro em frente ao Palácio da Alvorada, afirmou: "Conseguiram te levantar, pô? Tu pesa o quê, mais de sete arrobas, não é?".

Os deputados Orlando Silva e Sâmia Bomfim acionaram a corte máxima para solicitar a investigação do presidente por suposto crime de racismo - 'praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional'. Ambas as petições estão no gabinete da ministra Cármen Lúcia.

Braço direito do procurador-geral da República Augusto Aras, Lindôra argumentou que Bolsonaro agiu com 'animus jocandi' - 'ânimo de brincadeira, de humor' - em conversa com seu apoiador, 'o fazendo em alusão ao eventual excesso de peso do interlocutor'.

Segundo a vice-PGR, as palavras do chefe do Executivo 'não tiveram, por evidente, o propósito de praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, como também não objetivaram desumanizar ou equipar negros a animais'. "Analisado o contexto fático, claramente a frase não configura as elementares do tipo penal suscitado na notitia criminis e não tem o condão de ofender o bem jurídico tutelado", registrou.

Para Lindôra, para que fosse possível enquadrar a conduta de Bolsonaro como crime indicado pelos parlamentares, seria necessário que ele 'tivesse se manifestado imbuído do propósito de discriminar a população negra, ofendendo bem jurídico-penal, no caso, o direito à igualdade, o respeito à personalidade e à dignidade da pessoa'.

"O contexto fático, porém, é absolutamente diverso. Não houve nenhuma conotação relacionada com a cor da pele. A frase foi precedida de outra ("Ele disse que levantaram ele, Presidente, do chão naquela hora ") completamente dissociada de questões raciais. É incabível, portanto, o recorte da fala de Jair Messias Bolsonaro, retirando-lhe do contexto e atribuindo-lhe conotação que não tinha, afastando a tipicidade penal", argumentou.

Além disso, Lindôra evocou um precedente do STF, alegando que, em 2018, a PGR denunciou Bolsonaro pela frase: "Isso aqui é só reserva indígena, tá faltando quilombolas, que é outra brincadeira. Eu fui em um quilombola em El Dourado Paulista. Olha, o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada!".

No entanto, segundo a vice-PGR, a denúncia foi rejeitada pelo Supremo, que entendeu ser 'fato atípico'. Lindôra argumentou que a expressão empregada nos dois casos, arroba, 'invocada como suposta desumanização ou discriminação', não foi reconhecida pelo STF como caracterizadora do racismo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;