Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 28 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Juros caem com exterior, câmbio, de olho no projeto do ICMS e antes do IPCA-15



23/05/2022 | 17:54


Inseridos no contexto global de risk on, os juros futuros fecharam o dia em queda, com exceção das taxas curtas, que terminaram quase estáveis - até estavam em baixa mais cedo, mas à tarde zeraram o recuo, com o mercado entrando em compasso de espera pelo IPCA-15 de maio, na terça-feira. A queda do dólar e o impacto favorável à inflação, se aprovado, do projeto que unifica a alíquota de cobrança do ICMS, que deve ser votado também na terça na Câmara, completam a lista dos fatores a influenciar as taxas.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 fechou a sessão regular em 13,265%, de 13,274%% no ajuste de sexta-feira, e a do DI para janeiro de 2024 passou de 12,79% para 12,765%. O DI para janeiro de 2025 encerrou com taxa de 12,03%, de 12,089%, e o DI para janeiro de 2027, com taxa de 11,775%, de 11,859%.

O movimento da curva foi menos intenso que o dos demais ativos domésticos durante toda a sessão até porque as taxas de médio e longo prazos já vinham numa sequência firme de baixas na última semana. O corte de juro pela China na sexta-feira e, nesta segunda-feira, relatos de que o governo do país vai adotar medidas contundentes e direcionadas a sustentar a economia, como desonerações tributárias, animaram os investidores, amenizando um pouco as preocupações com a recessão global.

No Brasil, desonerações tributárias também parecem ser a boia de salvação contra a escalada da inflação e, ao mesmo tempo, evitando que o aperto monetário sufoque a atividade. Por isso, o mercado acompanha com atenção o noticiário em torno do projeto do limite da cobrança de ICMS em 17% para os setores que mais estão pesando na inflação, como combustíveis e energia. Cálculos dos economistas apontam impacto de até -1,3 ponto porcentual no IPCA de 2022.

A proposta deve ser votada na terça na Câmara, mas o mercado já vinha desde a semana passada precificando a possibilidade de aprovação nos DIs e, principalmente, nas NTN-B, embora saiba também dos percalços.

"Tem impacto relevante na inflação, mas também no fiscal", disse o economista-chefe da Greenbay Investimentos, Flávio Serrano, lembrando que em 2021 os governos regionais arrecadaram R$ 420 bilhões com o ICMS, valor impulsionado justamente pelos preços que mais subiram nos últimos meses: energia e combustíveis.

Na primeira reunião entre os economistas e diretores do Banco Central em São Paulo, a primeira sob o comando do novo diretor de Política Econômica da autarquia, Diogo Guillen, o tema central foram as expectativas para o crescimento.

Segundo fontes que acompanharam o encontro, as projeções para o PIB de 2022 já se aproximavam de 2,0%. Os cenários abordados destacaram a surpresa positiva com a atividade econômica do primeiro trimestre. Mas o quadro geral continua sendo de desaceleração da atividade a partir do segundo semestre, sobretudo devido aos impactos defasados da política monetária.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;