Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Soldado russo é condenado à prisão perpétua por crime de guerra na Ucrânia



23/05/2022 | 10:12


Um tribunal de Kiev condenou o soldado russo Vadim Shishimarin, de 21 anos, à prisão perpétua por cometer crimes de guerra em território ucraniano durante a invasão da Rússia ao país. O veredicto, anunciado nesta segunda-feira, 23, foi a primeiro a condenar um militar russo na Ucrânia desde o início da invasão ordenada por Moscou em 24 de fevereiro.

Shishimarin, um comandante de tanque, declarou-se culpado pela morte de Oleksandr Shelipov, de 62 anos, na vila de Chupakhivka, no nordeste da Ucrânia, em 28 de fevereiro, quatro dias após a invasão.

Promotores ucranianos disseram que Shishimarin e outros quatro militares russos roubaram um carro para escapar depois que sua coluna foi alvo de forças ucranianas. Ao entrarem na vila, os soldados viram Shelipov andando de bicicleta e falando ao telefone. Shishimarin foi ordenado a matá-lo para impedir que ele relatasse sua localização, disseram os promotores.

Na semana passada, o soldado reconheceu ao tribunal que era o culpado e pediu à viúva da vítima que o perdoasse, ao mesmo tempo que justificou seus atos como "ordens recebidas".

O juiz Serhi Agafonov disse que Shishimarin, cumprindo uma "ordem criminosa" de um militar de alto escalão, disparou vários tiros na cabeça da vítima com uma arma automática. "Dado que o crime cometido é um crime contra a paz, a segurança, a humanidade e a ordem jurídica internacional (...) o tribunal não vê a possibilidade de impor uma pena (mais branda)", disse.

O advogado do soldado russo, Viktor Ovsiannikov, disse que não ficou surpreso com a sentença porque houve "certa pressão da sociedade" e disse que apresentaria um recurso legal contra o veredicto.

Vestindo um moletom com capuz azul e cinza, Shishimarin assistiu aos procedimentos silenciosamente de dentro de uma caixa de vidro reforçada na sala do tribunal e não mostrou nenhuma emoção enquanto o veredicto era lido. Ele ficou com a cabeça baixa, ouvindo um tradutor.

O julgamento, que começou na semana passada, tem um enorme significado simbólico para a Ucrânia e um advogado internacional. De acordo com o MP ucraniano, o país abriu mais de 12.000 investigações por crimes de guerra desde o início da invasão russa.

Kiev acusa a Rússia de atrocidades e brutalidade contra civis durante a invasão, ao passo que a Rússia nega ter como alvo civis ou envolvimento em crimes de guerra durante o que classifica como uma "operação militar especial".

O Kremlin ainda não fez comentários sobre o veredicto. Anteriormente, o governo russo afirmou que não tem informações sobre o julgamento e que a ausência de uma missão diplomática na Ucrânia limita sua capacidade de prestar assistência. (Com agências internacionais).



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;