Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Rússia reforça ofensiva na Ucrânia, mas fala em retomar diálogo de paz

Reprodução/Redes Sociais  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


23/05/2022 | 07:55


A Rússia ampliou neste domingo, 22 sua ofensiva no leste da Ucrânia, que já enfrenta quatro meses de guerra. O negociador russo, Vladimir Medinski, afirmou que seu país está disposto a retomar as conversações de paz e assegurou que elas foram suspensas por causa de Kiev.

"Do nosso lado, estamos dispostos a continuar o diálogo", disse Medinski a uma TV belarussa. "A Rússia nunca rejeitou as negociações." Até o momento, foram realizadas várias reuniões, mas sem resultados.

"Os russos estão voltando todos seus esforços para conquistar Severodonetsk", afirmou o governador de Luhansk, Sergei Gaidaim, referindo-se a uma cidade estratégica para se conquistar toda a região. "A cidade está sendo destruída, como antes destruíram Rubizhn e Popasna", denunciou.

Segundo a presidência ucraniana, os bombardeios russos atingiram as cidades de Mykolaiv, Kharkiv e Zaporizhia na noite de sábado. O Estado-Maior ucraniano informou no domingo que o Exército russo seguia com seus ataques com mísseis e bombardeios aéreos em todo território e até "aumentou a intensidade, usando a força aérea para destruir infraestruturas cruciais".

O presidente polonês, Andrzej Duda, visitou Kiev no domingo e assegurou que, a partir de agora, será impossível lidar com a Rússia "como sempre se fez".

"Depois de Bucha, Borodianka, Mariupol, não pode haver mais negócios como de costume com a Rússia", declarou ao Parlamento ucraniano, em Kiev. Duda é o primeiro chefe de Estado estrangeiro a visitar a Ucrânia desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro.

MASSACRES

Em Bucha e Borodianka, ocupadas e posteriormente abandonadas pelo Exército russo, centenas de civis foram encontrados mortos. E a cidade portuária de Mariupol foi deixada em ruínas após meses de cerco e de bombardeios incessantes que mataram pelo menos 20 mil civis, segundo as autoridades ucranianas. O presidente polonês também disse que não descansará "até que a Ucrânia seja membro da União Europeia".

Nesta segunda-feira, 23, Zelensky discursará por videoconferência no Fórum Econômico de Davos. Há expectativa de que ele use a oportunidade para pedir mais ajuda a Kiev. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;