Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Discos históricos da música brasileira completam 50 anos



22/05/2022 | 08:05


Afinal, 1972 foi o quê? Uma explosão criativa explicada por alguma posição dos astros? Uma inspiração coletiva contraída pelos ares do pós Woodstock? Ou um conjunto de ideias saídas depois de oito anos de vigias e exílios forçados pelos militares? 1972 pode ter sido tudo isso e outras coisas ao mesmo tempo, um mistério que só nos instiga a visita a ele pelas memórias de quem estava lá. Cinquenta anos depois, seria possível entender um pouco mais sobre o que fez com que todos aqueles discos eternos - Clube da Esquina, de Milton e Lô Borges; Acabou Chorare, dos Novos Baianos; Expresso 2222, de Gilberto Gil; Transa, de Caetano Veloso; e A Dança da Solidão, de Paulinho da Viola, sem falar em outros como o Álbum da Cadeira, de Elis Regina, ou Ben, de Jorge Benjor - tivessem o desplante de virem ao mundo no mesmo e escandaloso ano de 1972?

São álbuns notáveis e considerados dos melhores que o País já produziu, mas um outro traço torna essa ilha mais desafiadora. Ao contrário de outras fendas abertas no tempo, como a de 1959, quando o jazz explodiu suas próprias estruturas com Kind of Blue, de Miles Davis; Mingus Ah Um, de Charles Mingus; The Shape of Jazz to Come, de Ornette Coleman; e Time Out, de Dave Brubeck; ou a de 1967, quando o espírito de um rock and roll curtido no ácido revelou Sargent Peppers Lonely Hearts Club Band, dos Beatles; Axis: Bold as Love e Are You Experienced, de Jimi Hendrix; Disraeli Gears, do Cream; e a estreia dos Doors, não havia nenhum código que ligasse os álbuns brasileiros. Mesmo criados sob o mesmo cheiro da morte, com Emílio Garrastazu Medici esticando a corda da ditadura, esses discos, para além de responderem aos estímulos de um tempo brutal, rompiam com ele para criar cada qual seu lugar de fuga imaginário e apontar direções singulares.

"São todos eles um grito de liberdade", diz o crítico Tárik de Souza, um dos mais respeitados no País e atuante, à época, como editor de música da revista Veja. Ele lembra que a indústria do disco funcionava a todo vapor e a MPB dava sinais de vitalidade nos horários nobres das TVs mesmo com o recente fim da Era dos Festivais. Mas a longevidade do período militar, que não dava sinais de arrefecimento, era exaustiva e os artistas - dois deles, Gil e Caetano, voltados do exílio - já não se lançavam em voos camicases. A liberdade declarada em 1972, à qual se refere Tárik, não era pelo grito, mas por uma força que o jornalista define assim: "A cultura se impunha com esses discos pelo poder da criação. Foi esta a resposta à mediocridade da ditadura".

Nelson Motta também via tudo de sua posição de produtor e futuro crítico musical do jornal O Globo. "Que safra, hein?" De todos os álbuns, ele diz que Acabou Chorare, dos Novos Baianos, foi o que teve a maior repercussão. Os outros, diz, por mais cultuados que se tornassem, não chegaram às pessoas com a mesma força midiática. "Besta é Tu tocava o dia inteiro. As músicas eram alegres, jovens e brasileiríssimas. Os outros eram discos de sucesso restrito e não tinham hits de rádio, apesar do prestígio nas rodas musicais."

Havia um terreno para que aquele sistema florescesse: "O público estava ansioso por um rock brasileiro depois do Woodstock de 1969 e os Novos Baianos eram rock, mas também samba e choro", diz Nelson.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;