Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Com sanções, preços dos alimentos na Rússia sobem mais rápido do que no Ocidente

Reprodução/TV Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

No geral, valores tiveram alta de 20%, o dobro do aumento registrado nos Estados Unidos em abril



21/05/2022 | 18:49


Com as sanções impostas à Rússia, os preços dos alimentos sobem de forma acentuada em meio à alta da inflação, que já alcançou o dobro da taxa do Ocidente. A situação deve piorar à medida que os estoques diminuem, novas sanções entram em vigor e os compradores adotam estratégias que podem aumentar a inflação.

O açúcar custa dois terços a mais do que há um ano, enquanto frutas e legumes custam um terço a mais, segundo dados do governo. As massas custam quase 30% a mais do que há um ano, enquanto os preços dos cereais e feijões subiram 35%. No geral, os preços dos alimentos subiram 20%, o dobro do aumento registrado nos Estados Unidos em abril.

O efeito é mais severo nas famílias russas, porque uma parcela maior de seus orçamentos domésticos vai para a alimentação e os salários não acompanham a inflação. O aumento generalizado dos preços, que há muito é um problema na Rússia, deve permanecer à medida que os estoques de produtos importados se reduzem, os preços de peças escassas aumentam, os custos de transporte são impulsionados e as sanções ocidentais começam a entrar em vigor.

O Banco Central russo disse que a inflação, a incerteza econômica e a piora nas condições de crédito ao consumidor estão levando os consumidores a economizar mais e reduzir os gastos. No curto prazo, segundo a entidade, os preços permanecerão voláteis, devido à mudança na dinâmica da demanda do consumidor e da disponibilidade de produtos. O Banco Central disse, ainda, que está tomando medidas para conter a inflação e espera que os aumentos de preços caiam para 5% a 7% no próximo ano e 4% em 2024.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;