Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Presidente dos EUA e da Coreia anunciam plano de expansão de exercícios militares



21/05/2022 | 09:50


Após reunião de mais de duas horas neste sábado, em Seul, os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da Coreia do Sul, Yoon Suk Yeol, anunciaram que darão início a conversas para a expansão "do escopo e da escala" de exercícios militares conjuntos para deter a ameaça nuclear da Coreia do Norte. Este é o segundo dia da visita de Biden ao país. Yoon assumiu o cargo há pouco mais de uma semana.

"Considerando a ameaça em evolução representada pela República Popular Democrática da Coreia (RPDC), ambos os líderes concordam em iniciar discussões para expandir o escopo e a escala de exercícios militares combinados e treinamento em e ao redor da Península Coreana. Também reafirmam o compromisso dos EUA de implantar recursos militares estratégicos de maneira oportuna e coordenada, conforme necessário, bem como aprimorar essas medidas e identificar medidas novas ou adicionais para reforçar a dissuasão diante das atividades desestabilizadoras da RPDC", afirmaram Biden e Yoon em declaração conjunta.

"Nesse sentido, os EUA e a República da Coreia expandirão significativamente a cooperação para enfrentar uma série de ameaças cibernéticas da RPDC, incluindo, entre outros, ataques cibernéticos patrocinados pelo Estado", continuaram.

No comunicado, Biden e Yoon falam também em reativar o Grupo de Consulta e Estratégia Ampliada de Dissuasão de alto nível "o mais breve possível". Segundo os líderes, o objetivo comum é a "desnuclearização completa da Coreia do Norte". "Os dois presidentes compartilham a opinião de que o programa nuclear da RPDC representa uma grave ameaça não apenas à paz e à estabilidade na Península Coreana, mas também no resto da Ásia e do mundo".

O anúncio aponta uma mudança de rumo de ambos os líderes em relação a seus antecessores: o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, considerou descartar os exercícios militares e expressou simpatia pelo líder norte-coreano Kim Jong Un. Já o último presidente sul-coreano, Moon Jae-In, permaneceu comprometido com o diálogo com Kim até o fim de seu mandato, apesar de ter sido repetidamente rejeitado pelo Norte.

No comunicado conjunto, Biden também reiterou sua oferta de vacinas à Coreia do Norte, tendo em vista que o coronavírus se espalha rapidamente pelo país. Questionado se estaria disposto a se encontrar com Kim Jong Un, Biden disse que dependeria de o líder norte-coreano ser "sincero" e "sério". "Nós oferecemos vacinas não só para a Coreia do Norte como para a China. Estamos preparados para fazê-lo imediatamente. Não obtivemos resposta", afirmou.

Biden e Yoon disseram que o caminho para o diálogo com a Coreia do Norte "permanece aberto para uma resolução pacífica e diplomática" e pediram que o país retorne às negociações. Yoon falou em "normalizar" o relacionamento intercoreano por meio de um plano para península coreana desnuclearizada, proposta que recebeu apoio de Biden. Ambos os líderes destacaram a importância da cooperação trilateral Coreia do Sul-EUA-Japão para responder aos desafios da Coreia do Norte e, entre outras finalidades, "reforçar a ordem internacional baseada em regras".

Em sua visita à Coreia do Sul, Biden também tem ido a fábricas de chips e automóveis e fazendo negociações visando uma maior cooperação comercial. Nas conversas deste sábado, os dois líderes enfatizaram a segurança econômica e o avanço das relações comerciais, já que duas grandes indústrias coreanas, Samsung e Hyundai, estão abrindo grandes fábricas nos EUA.

Os EUA também coordenaram com a Coreia do Sul e o Japão de que forma responderão caso a Coreia do Norte faça um teste nuclear ou lançamento de mísseis enquanto Biden estiver na região, disse o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, a repórteres que estavam a bordo do avião presidencial Força Aérea Um. Sullivan conversou com seu colega chinês Yang Jiechi no início da semana e instou Pequim a usar sua influência para persuadir o Norte a interromper os testes.

Os EUA têm trabalhado para formar uma coalizão de países na Ásia que possa contrabalançar a crescente força da China, abandonando a Parceria Transpacífico após reações políticas internas. Biden evitou uma pergunta sobre ressuscitar o acordo, mas falou sobre o potencial de laços mais estreitos na região além de aliados tradicionais como Coreia do Sul e Japão.

"As coisas mudaram. Há um sentimento entre as democracias do Pacífico de que há necessidade de cooperar muito mais estreitamente. Não apenas militarmente, mas em termos econômicos e políticos", disse Biden.

O presidente norte-americano não comentou, explicitamente, sobre combater a influência chinesa, mas a China divulgou mensagem no sábado sobre a visita a Seul. "Esperamos que os EUA combinem suas palavras com ações e trabalhem com países da região para promover solidariedade e cooperação na Ásia-Pacífico, em vez de planejar divisão e confronto", afirmou o enviado chinês para assuntos coreanos, Liu Xiaoming, pelo Twitter.

O governo Biden vem pedindo à China que impeça a Coreia do Norte de se envolver com qualquer míssil ou teste nuclear. Apenas neste ano, o país fez 16 testes com mísseis. Segundo Sullivan, Biden e o presidente chinês Xi Jinping podem fazer um telefonema nas próximas semanas.

Autoridades da Casa Branca informaram que Biden não visitará a Zona Desmilitarizada que divide a Península Coreana durante a viagem - parada tradicional para presidentes durante visitas a Seul. Sullivan disse que a decisão do presidente de pular a parada desta vez não tem relação com preocupações de segurança.

No domingo, Biden visitará a área de operações de combate do Centro de Operações Aéreas na Base Aérea de Osan, ao sul de Seul. Os EUA a consideram uma das instalações mais cruciais do nordeste da Ásia.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;