Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Garotinho afasta União Brasil de Castro no RJ



21/05/2022 | 08:01


O ex-governador do Rio Anthony Garotinho (União Brasil) tenta se lançar pré-candidato ao Executivo fluminense com aval do presidente nacional do partido, Luciano Bivar, que pretende concorrer ao Planalto. A volta de Garotinho ao cenário afastaria seu partido da aliança em torno do governador Cláudio Castro e do palanque local do presidente Jair Bolsonaro, ambos do PL. Apesar das consequências nacionais, o movimento de Garotinho envolve uma questão paroquial: sua insatisfação com Castro por causa de uma disputa por espaço em sua base eleitoral no interior.

A principal condição do clã Garotinho para apoiar a reeleição de Castro era que o governador se afastasse politicamente do secretário de Governo, Rodrigo Bacellar. Trata-se de um político local, deputado estadual em primeiro mandato, com base eleitoral em Campos dos Goytacazes (RJ). Lá, é rival dos Garotinhos.

A discórdia ganhou contornos de rixa pessoal e se tornou pública nas redes sociais. O prefeito de Campos, Wladimir Garotinho (União Brasil), filho do ex-governador, criticou o secretário por ter se reunido com o ex-prefeito Rafael Diniz, derrotado na última eleição para a prefeitura da cidade. Em resposta, Bacellar chamou Wladimir de "filho dos ex-presidiários" - Garotinho e a mulher, Rosinha, foram presos - e atacou a mulher do prefeito, Tassiana Oliveira. Os insultos destruíram as pontes que vinham sendo construídas entre a família e Castro.

Sem nenhum indicativo de que o governador se afastaria do secretário, a família Garotinho focou na busca de apoio direto de Bolsonaro. Diante das dificuldades que encontrou com outras pré-candidaturas, o ex-governador agora tenta se lançar, para pressionar Castro pela ameaça de implosão do seu palanque local. A iniciativa conta com o aval da executiva estadual do União Brasil e será avaliada pela direção nacional. A ideia é que Garotinho dê palanque no Estado para Bivar.

PURO-SANGUE

"Seria palanque puro-sangue, Anthony e Bivar. Para Bivar, é de grande valia, porque ele passa a ter no Rio um palanque que não tinha antes", disse ao Estadão/Broadcast o presidente do União Brasil no Rio, Wagner Carneiro, o Waguinho.

Até então, o União Brasil do Rio apoiaria a reeleição de Bolsonaro. A família Garotinho já se movia em busca de um palanque alternativo, encabeçado pelo ex-governador, quando o partido não havia definido a candidatura de Bivar ao Planalto. A deputada Clarissa Garotinho (União Brasil-RJ) dizia ser defensora da proposta por se queixar da falta de apoio de Castro a Bolsonaro.

O ex-governador precisa, no entanto, resolver problemas com a Justiça para ser candidato, já que foi condenado duas vezes em segunda instância por improbidade administrativa e cooptação de votos. Isso o tornaria inelegível pela Lei da Ficha Limpa. Garotinho aposta em um recurso pendente no Tribunal Superior Eleitoral para concorrer.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;