Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

São Bernardo vai levar moradores de rua à força para os abrigos com temperatura inferior a 5ºC

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Paço tem amparo judicial; especialista critica medida e coordenador de movimento fala em ação higienista


Thainá Lana
Do Diário do Grande ABC

21/05/2022 | 00:01


São Bernardo irá obrigar moradores em situação de rua a dormirem nos abrigos públicos quando a temperatura estiver abaixo dos 5°C – nesta semana os termômetros chegaram a 6°C na cidade. A decisão, anunciada pelo prefeito Orlando Morando (PSDB), tem amparo em permissão concedida pela juíza Inês Del Cid, da 2° Vara da Fazenda Pública de São Bernardo. A mesma medida havia sido implantada no ano passado e é a única vigente no Grande ABC. O chefe do Executivo alegou preservação à vida da população de rua e baixa adesão aos abrigos como justificativas para o acolhimento compulsório.

Atualmente a cidade conta com Centro de Acolhimento 24 horas, usado para pernoite e atende até 150 pessoas e, Centro de Convivência e Moradia Provisória, com 30 vagas. “Nós temos lugares para eles dormirem, com condições dignas. Para nossa tristeza, Mauá e São Paulo registraram vítimas fatais em razão do frio. É isso que não queremos”, pontuou Orlando em transmissão nas redes sociais.

O coordenador regional do Movimento Nacional da População de Rua, Thiago da Silva Quintanilha, é contrário à medida e acusa a administração são-bernardense de querer higienizar a região central. “No ano passado lutamos para derrubar a liminar do acolhimento obrigatório. Falta atendimento humanizado nas abordagens, o serviço de assistência social não acompanha, apenas a GCM (Guarda Civil Municipal) e o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). A Prefeitura utiliza essa desculpa do frio para retirar à força as pessoas da rua”, contesta Quintanilha, que ficou em situação de rua em São Bernardo por três anos.

Segundo o artigo 23 da resolução de número 40, publicada em 2020 no Diário Oficial da União, que dispõe sobre as diretrizes para promoção, proteção e defesa dos direitos humanos das pessoas em situação de rua, o Estado deve às pessoas vulneráveis o direito à cidade, constituído, entre outros, como o direito de ir e vir. O artigo 38 do mesmo documento especifica ainda que o atendimento em abrigos públicos “devem garantir o direito de ir e vir, com flexibilização de horário de entrada e saída, de acordo com as necessidades dos usuários”.

O advogado e especialista em vulnerabilidade Marcelo Válio explica que é proibida a remoção das pessoas em situação de rua, bem como adotar medidas que forcem seu deslocamento permanente. “Devido à atual situação climática, porém, a liberdade da população de rua deve ser flexibilizada frente ao risco de morte, prevalecendo o direito à vida diante do direito de liberdade de escolha. Prepondera o direito de maior significância ao ser humano sobre aquele a que o órgão jurisdicional competente atribuir peso menor.”

Enquanto anunciava o recolhimento compulsório, Orlando alegou que a população de rua opta por morar nas vias da cidade. “Aqui a proteção não é só com máscara e vacina, mas é, também, para aqueles que, infelizmente, buscaram a rua como opção para viver, não é uma população fácil, porque eles não querem sair da rua, tanto que sobra vaga no albergue”, disse o chefe do Executivo.

Ariel de Castro Alves, advogado e especialista em políticas de direitos humanos e presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Bernardo, criticou a fala do gestor.

“Se sobram vagas nos albergues, a Prefeitura precisa verificar porque os moradores em situação de rua não querem ir. Locais inadequados, horários rígidos que excluem quem precisa trabalhar e fazer bicos para sobreviver, não aceitam os cães e gatos das pessoas, não têm locais para colocarem os carrinhos dos catadores, entre outras situações. Pensar que as pessoas vão para as ruas por opção é um pensamento egoísta e elitista de quem tem emprego, salário, casa confortável, e todas as condições sociais e econômicas.”



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;