Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 30 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Policiais e agentes penitenciários são presos por suposta ligação com milícia



20/05/2022 | 18:52


Sete pessoas foram presas em operação da Polícia Civil do Rio, da Corregedoria da PM e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), na manhã desta sexta-feira, 20, contra agentes públicos supostamente aliados da maior milícia do Estado. Entre os alvos detidos, estão dois PMs e cinco agentes penitenciários.

Policiais da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco) cumprem dez mandados de prisão e onze de busca e apreensão. Na casa de um dos policiais penais, a força-tarefa apreendeu dinheiro e armas.

A delegada Ana Lúcia da Costa Barros, mulher de um dos agentes presos nesta sexta-feira, também é investigada. As ordens foram expedidas pela 1.ª Vara Criminal Especializada da Capital.

"Até o presente momento, não houve constatação do envolvimento da delegada com a milícia", afirmou o delegado titular da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), Thiago Neves.

O promotor André Cardoso, do MP do Rio, afirmou que o caso da delegada está sendo analisado.

"Estamos analisando para saber se houve a participação dela, se vai ser oferecida denúncia ou se vão ser aprofundadas as investigações contra ela", disse.

Segundo a investigação, os agentes públicos repassavam informações privilegiadas aos membros da organização criminosa. Eram dados como posicionamento de viaturas e detalhes de investigações em andamento. Havia, concluíram os promotores "evidente prática de corrupção e pagamentos entre milicianos e serventuários do sistema prisional".

A investigação é conduzida pelo Grupo de Atuação Especializada no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) em parceria com Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e de Inquéritos Especiais (Draco/IE).

Os agentes sob suspeita também atuariam na milícia da região de Campo Grande e Santa Cruz, na zona oeste do Rio. De acordo com a investigação, eles tinham trânsito junto a Luiz Antônio da Silva Braga, o Zinho. Ele é irmão e sucessor de Wellington da Silva Braga, o Ecko. Antigo chefe do bando, Ecko foi morto pela Polícia Civil em junho do ano passado.

De acordo com a força-tarefa, a investigação começou com apreensão de um celular, em abril do ano passado. O aparelho foi recolhido na casa de Francisco Anderson da Silva Costa, o Garça. Ele era um dos homens de confiança de Ecko.

"Após uma tentativa de prisão do miliciano Garça, foram apreendidos cinco telefones. Nessa investigação, foi apontada a participação de agentes públicos. Participação essa que mudou com o tempo. Antigamente a gente via egressos da polícia como lideranças. E hoje já não se observa mais esse fenômeno. A participação se restringe mais a passar informações sigilosas", explicou Thiago Neves.

O Estadão não localizou a defesa da delegada Ana Lucia da Costa Barros para que comentasse as suspeitas da Policia.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;