Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 29 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Cidade de NY investiga possível caso de varíola do macaco em meio a surto no mundo



20/05/2022 | 18:16


Autoridades da cidade de Nova York disseram que estão monitorando um caso suspeito de varíola do macaco, já que um surto de uma doença raramente detectada fora da África foi confirmado em mais países. O paciente em Nova York estava recebendo cuidados no Hospital Bellevue, onde autoridades de saúde da cidade disseram ter realizado testes preliminares para confirmar se a pessoa tinha a doença. Globalmente, 37 casos foram confirmados e 71 estão sob investigação em países onde a varíola do macaco não é endêmica, afirmou a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Alemanha, Austrália, França e Bélgica relataram seus primeiros casos na sexta-feira. Existem dois casos confirmados no Canadá e 17 casos suspeitos apenas em Montreal. Monkeypox, ou varíola do macaco, é um vírus que causa uma erupção contagiosa semelhante à catapora em humanos e se espalha por contato próximo. Nos primeiros cinco dias de infecção, os sintomas geralmente incluem dores musculares, calafrios, febre, glândulas inchadas e exaustão. A erupção tende a se desenvolver na marca de duas semanas. A doença viral é comumente circulada entre roedores e foi detectada pela primeira vez em humanos em 1970.

Embora a varíola dos macacos possa ser transmitida se você inalar partículas de vírus perto de uma pessoa infectada, ela é mais comumente transferida por contato próximo, de acordo com Sameer Elsayed, médico de doenças infecciosas e professor de medicina da Western University, no Canadá. O risco de desenvolver o vírus quando em contato próximo com alguém que tem uma infecção é relativamente baixo, mas as pessoas com a doença devem se isolar até que suas lesões formem crostas, disse ele.

Em vários países, muitos casos confirmados ocorreram em homens jovens que fizeram sexo com outros homens. Embora o contato sexual possa desempenhar um papel, a varíola do macaco não é uma doença sexualmente transmissível. Alguns casos foram causados pela exposição a um membro da família com varíola dos macacos, e as autoridades ainda estão investigando como cada pessoa infectada contraiu o vírus, disse Elsayed. A taxa de mortalidade para a varíola dos macacos varia de 1% a 15%, tendendo mais para indivíduos imunocomprometidos, de acordo com o Elsayed.

Houve pelo menos 142 casos confirmados ou suspeitos relatados na Europa, América do Norte e Austrália desde 6 de maio, de acordo com a plataforma Global.health. Autoridades de saúde pública dizem que as vacinas contra a varíola podem proteger contra a doença. Os dados sugerem que as vacinas contra a varíola são 85% eficazes na prevenção, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Após a erradicação da varíola, os EUA interromperam a vacinação de rotina contra a doença em 1972.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;