Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 30 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Juros caem com corte de juros na China e queda do rendimento dos Treasuries



20/05/2022 | 17:55


Os juros futuros encerraram a semana em queda, refletindo o efeito positivo do corte de juros anunciado pelo Banco da China e o recuo nos rendimentos dos Treasuries. O impacto da medida da China amparou também a alta de commodities como minério e petróleo, favorecendo ativos de países exportadores como o Brasil, mas como o dólar teve baixa consistente, neutralizou qualquer impacto negativo das matérias-primas sobre a curva.

Outro vetor baixista, principalmente nas taxas de inflação implícitas, vem da proposta do governo de unificar a alíquota de ICMS em 17% para energia, combustíveis, telecomunicações e transportes, pelo expressivo potencial de alívio na inflação. Na semana, o saldo é de desinclinação para a curva.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 fechou a etapa regular em 13,27%, de 13,284% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2024, em 12,79%, de 12,871%. O DI para janeiro de 2025 encerrou com taxa de 12,09%, de 12,219%.

A autoridade monetária do país asiático reduziu a taxa de referência a empréstimos de longo prazo de 4,6% para 4,45%, alimentando o apetite pelo risco logo na abertura. Como destaca a Tendências Consultoria, a decisão reforça a aposta em políticas estimulativas para apoiar a economia, em especial o setor imobiliário, muito afetada pelas medidas de restrição implementadas após o aumento de casos de covid.

"A China tem forte efeito sobre o câmbio e traz atratividade de fluxos para a Bolsa e renda fixa", comentou o economista-chefe da Western Asset, Adauto Lima.

Ele lembra ainda que a curva americana está fechando bastante, como reflexo do risco de recessão. "Mal começou o aperto do Fed e já temos a curva quase flattening nas taxas de 10 e 2 anos", observou. O diferencial entre os yields das T-Notes de 10 e 2 anos que era de 33 pontos-base no começo de maio já está por volta de 20 pontos. O movimento é puxado principalmente pelo papel de 10 anos, que vem se afastando paulatinamente dos 3%, nesta sexta marcando 2,78% no fim da tarde.

Por aqui, o mercado tenta se antecipar ao impacto favorável para a queda da inflação se aprovado o projeto de lei complementar que estabelece um teto de 17% para o ICMS sobre energia, combustíveis e telecomunicações. O potencial é estimado pela ASA Investments em até 1,2 ponto porcentual no IPCA de 2022, mas o BTG calcula que pode chegar a 1,39 ponto. Tais perspectivas vêm empurrando para baixo as taxas de inflação implícitas via NTN-B e contratos DAP (futuro de Cupom de IPCA - derivativo usado para precificação do IPCA) nos últimos dias. Na quinta, a implícita da NTN-B 2023, que indica a expectativa de inflação para 2022, caiu de 7,65% para 7,22%.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), quer votar o projeto na terça-feira, mas as perdas de arrecadação, que podem chegar a R$ 70 bilhões, aos entes regionais devem gerar uma queda de braço entre governadores, prefeitos e o governo federal. "O projeto é problemático e os governadores vão judicializar, mas acredito que algum tipo de intervenção em preços vá sair", disse Lima.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;