Fechar
Publicidade

Domingo, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de NY fecham sem sinal único com cenário de cautela



20/05/2022 | 17:45


Os mercados acionários de Nova York fecharam sem sinal único, nesta sexta-feira. As bolsas chegaram a exibir ganhos no início do dia, mas perderam fôlego e prevaleceu em boa parte do dia o quadro de cautela recente, o que fez com que o índice S&P 500 chegasse a entrar em parte do pregão no chamado "bear market", caracterizado por queda de 20% em comparação com o pico mais recente, de 4 de janeiro. Na reta final do dia, porém, parte dos índices ainda conseguiu reagir e exibir ganho modesto.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,03%, em 31.261,90 pontos, o S&P 500 subiu 0,01%, a 3.901,36 pontos, e o Nasdaq recuou 0,30%, a 11.354,62 pontos. Na comparação semanal, o Dow Jones registrou queda de 2,90%, o S&P 500 cedeu 3,05% e o Nasdaq teve baixa de 3,82%.

O início dos negócios teve tom mais otimista, com as bolsas europeias apoiadas pela decisão do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) de cortar juros, apoiando a economia da potência asiática. Logo, Nova York voltou a repetir o quadro recente de cautela e venda de ações, com investidores preocupados com questões como a elevada inflação, o aperto do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) para conter a escalada dos preços, a perda de fôlego de empresas varejistas e outras incertezas, como os desdobramentos da guerra na Ucrânia. Nos minutos finais do pregão, houve ainda tempo para nova reviravolta, resultando no fechamento misto.

A Oanda diz em relatório que o "bear market" do S&P 500 não seria algo previsto no início do ano. Para ela, a inflação persistente, "erros" na política monetária do Fed e os temores de recessão afetam investidores. No nível atual, a Oanda acredita ainda que pode haver mais pressão de baixa sobre as ações, com vendas por fatores técnicos. Ela diz também que os mercados devem continuar a mostrar pouco fôlego até que o Fed comece a mostrar sinais de que se preocupa com as condições financeiras e dizer que "pode parar de conduzir um aperto de modo tão agressivo".

O CIBC, por sua vez, destaca o fato de que balanços de varejistas motivaram a onda de vendas de ações nesta semana. Segundo o banco canadense, o maior risco atual para o mercado acionário é que o crescimento e a inflação não mostrem resposta suficiente às etapas iniciais do aperto monetário. Isso poderia fazer o Fed apertar ainda mais sua política e aumentaria o risco de uma recessão, diz o CIBC.

Papéis ligados ao consumo não tiveram sinal único nesta sexta. Entre alguns setores, o financeiro, o industrial e o de serviços de comunicação caíram, mas tecnologia, energia e saúde estiveram entre os que subiram. Entre ações em foco, Tesla caiu 6,42%, após a Bloomberg noticiar que um fundo deixou de ter o papel como sua principal aposta e também com preocupações sobre a economia da China, mercado importante da empresa de Elon Musk - que nesta sexta visitou o Brasil.

Amazon subiu 0,25%, Apple avançou 0,17%, Microsoft caiu 0,23%, e Alphabet teve baixa de 1,34%. Entre as montadoras, General Motors fechou em baixa de 1,99% e Ford, de 2,72%. Boeing registrou queda forte, de 5,07%, enquanto entre os bancos JPMorgan caiu 0,82% e Bank of America, 1,71%.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;