Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Petróleo fecha em alta, puxado por sinalizações de demanda na China e nos EUA



20/05/2022 | 16:45


Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta sexta-feira, em sessão na qual sinalizações de alta na demanda impulsionaram as cotações. Na China, houve alívio de parte das restrições para conter a covid-19, enquanto nos Estados Unidos o consumo de combustíveis tem indicativos de alta. Por outro lado, o fortalecimento do dólar nesta sexta limitou os ganhos do petróleo, uma vez que a commodity é cotada na moeda norte-americana.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do petróleo WTI com entrega prevista para julho subiu 0,35% (US$ 0,39), a US$ 110,28. Na semana, houve avanço de 1,83%. Já o do Brent ganhou 0,46% (US$ 0,51), a US$ 112,55, na Intercontinental Exchange (ICE), com alta semanal de 0,89%.

O Commerzbank aponta que Xangai está saindo gradualmente de seu bloqueio, e que, além disso, a demanda de gasolina nos EUA parece robusta, apesar dos preços recordes.

De acordo com a Administração Federal de Rodovias dos EUA, o total de milhas percorridas pelos americanos em março foi de 8 bilhões a mais que março passado e 5 bilhões a mais do que neste mês de 2019.

O banco alemão lembra ainda que a temporada de verão, o período de maior demanda, começará nos EUA no final de maio.

Já o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos EUA subiu 13 na semana, a 576, informou nesta sexta a Baker Hughes, companhia que presta serviços no setor.

Para a Capital Economics, os preços do petróleo bruto estão atualmente pouco alterados em torno de US$ 110 por barril.

A consultoria acredita que a probabilidade de menos exportações russas nos próximos meses manterá os preços elevados, embora o crescimento mais lento da demanda e a maior oferta não russa devam aproximar os preços de US$ 100 até o final do ano.

Enquanto um acordo não é concretizado, o Financial Times publicou que a Itália aumentou suas importações de petróleo russo, apesar dos esforços da UE para encerrar os laços com a Rússia.

O país exportou cerca de 450 mil barris por dia para a Itália este mês, quatro vezes mais do que em fevereiro deste ano e o maior valor desde 2013, segundo a Kpler, uma empresa de dados de commodities.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;