Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Musical homenageia o cantor e compositor Jackson do Pandeiro

Reprodução/Internet Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Espetáculo fica duas semanas no Sesc Pinheiros



19/05/2022 | 08:16


A temporada é curta - apenas duas semanas de apresentações no Sesc Pinheiros -, mas será possível confirmar a qualidade do trabalho do grupo Barca dos Corações Partidos no musical Jacksons do Pandeiro, espetáculo criado a partir do universo rítmico do cantor Jackson do Pandeiro (1919-1982), considerado por muitos críticos como um dos grandes musicistas brasileiros (comparável a João Gilberto na genialidade).

"Ele aprimorou o conceito de síncope na música, ou seja, quando a nota subverte a expectativa", observa Eduardo Rios, que assina a dramaturgia do espetáculo ao lado de Braulio Tavares. De fato, Jackson sempre provocava surpresa ao brincar com o ritmo e as palavras. Basta observar Sebastiana, um dos clássicos de Jackson.

O solista dá o início: "Convidei a comadre Sebastiana / Pra cantar e xaxar na Paraíba / Ela veio com uma dança diferente / E pulava que só uma guariba / E gritava...". Nesse instante, o coro assume: "A, e, i, o, u, ipsilone...".

"Esse universo rítmico do Jackson, marcado pelas quebras - quando se espera uma coisa do canto e vem outra -, acabou por também inspirar a concepção do espetáculo", conta a diretora Duda Maia. "Há uma relação direta com os desvios propostos pelo Jackson."

PESQUISA

Duda aplicou no musical o que já descobriu em sua interessante pesquisa sobre a ideia de "corpo rítmico" dos atores. O que favoreceu foi tratar de um compositor cuja obra é marcada pelo suingue, ginga e síncope, aquele tempo musical presente no samba e em outros gêneros, quando o ritmo sai do tempo esperado. "É um coco acelerado", diverte-se ela, referindo-se ao gênero musical do qual Jackson era um expert e cuja "uniformidade está na ausência de uniformidade", na exata definição de Mário de Andrade.

Para atingir a necessária intimidade com a obra de Jackson, o grupo fez uma profunda investigação, capitaneada por Alfredo Del-Penho que, há quase 20 anos, pesquisa cocos, toadas, rojões, frevos, baiões e sambas deixados pelo artista paraibano.

Nesse empenho, que consistiu em ouvir e selecionar 435 canções interpretadas por Jackson, Del-Penho desvendou características importantes da personalidade do músico como a religiosidade e a pluralidade de personagens criadas por ele. "Jackson também citava vários lugares e diversos animais."

Além de clássicos como O Canto da Ema, Chiclete com Banana e Cantiga do Sapo, o musical traz canções novas, que transformam a obra do homenageado ao dar novos arranjos, acrescentar letras e introduzir trabalhos criados no processo. "É um pedir licença à obra dele, mas sem deixar de homenageá-lo com todo respeito, carinho e toda admiração", conta Eduardo Rios.

É esse estilo de trabalho que consolida a trajetória da Barca dos Corações Partidos, companhia criada em 2012 a partir do entrosamento espontâneo em torno dos atores que encenaram, naquele ano, Gonzagão - A Lenda. Ao grupo, juntou-se a produtora Andréa Alves, entrosamento que logo resultou em um caminho original, quebrando as regras tradicionais do teatro musical ao fugir das imposições do canto desse gênero e ao abrir mão de encenações carregadas de detalhes suntuosos, apostando na originalidade.

E uma de suas principais características se repete em Jacksons do Pandeiro: todos os instrumentos são tocados pelos atores. "Trazemos a forma sincopada do canto para o jogo de cena o tempo todo. Em nosso título, Jacksons aparece no plural porque são várias histórias que se cruzam e se confundem com a de Jackson", conta Duda.

Não se trata, porém, de uma biografia tradicional. "Distribuímos a ação em brincantes que contam pedaços de suas histórias pessoais que, em muitos pontos, coincidem com a de Jackson", observa o autor Braulio Tavares.

Jacksons do Pandeiro

Teatro Paulo Autran, no Sesc Pinheiros

Rua Paes Leme, 195. 5ª a sáb.,

20h. Dom., 18h. R$ 40. Até 29/5

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;