Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Câmara aprova lei com incentivos fiscais para as indústrias químicas

Câmara dos Deputados/Paulo Sérgio Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Projeto que garante imposto menor na importação de matéria-prima às empresas do setor petroquímico aguarda agora aval de senadores


Da Redação

18/05/2022 | 08:53


O plenário da Câmara Federal aprovou na sessão de ontem o PLV (Projeto de Lei de Conversão) que regulamenta o Reiq (Regime Especial da Indústria Química). O programa garante que o setor importe insumos com impostos reduzidos até 2027, mas exige como contrapartida a manutenção dos 400 mil postos de trabalho do segmento. A votação recebeu 265 votos favoráveis e sete contrários.

Relator do texto aprovado, o deputado federal Alex Manente (Cidadania), que possui domicílio eleitoral em São Bernardo, destacou a importância de obrigar a indústria química a não realizar demissões em massa até o fim da vigência do regime especial, daqui a pouco mais de cinco anos, em 31 de dezembro de 2027. O segmento deixará de recolher R$ 2 bilhões anuais com a política de redução fiscal.

“A própria indústria química, dos seus 400 mil empregos diretos, diz que sem o Reiq teríamos menos 85 mil. Nós estamos obrigando em lei a ter o demonstrativo da manutenção do emprego”, declarou Alex em discurso no plenário da Câmara. A votação levou cinco minutos.

“A aprovação do Reiq foi um avanço. A Câmara dá sinal importante aos demais segmentos, de que qualquer isenção de tributos tem de ter as respectivas contrapartidas. No caso da indústria química, foram a garantia de emprego e a responsabilidade social com o ambiente e a vizinhança”, declarou o relator do PLV em entrevista ao Diário.

Boa parte dos 400 mil empregos diretos da indústria química no Brasil é gerada no Grande ABC. Cerca de 10 mil deles atuam no Polo Petroquímico de Capuava, na divisa de Santo André e Mauá, onde se localiza uma das plantas da gigante Braskem, a maior produtora de resinas termoplásticas das Américas.

Após aprovação na Câmara, o texto segue para o Senado. Se obtiver aval, será encaminhado à sanção do presidente da República. O PLV retoma o programa de abatimento fiscal extinto pela Medida Provisória 1.095/21, editada por Jair Bolsonaro (PL) no último dia do ano passado.

A MP acabou abruptamente com a isenção de parte do PIS/Pasep (Programa de Integração Social e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) e da Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) sobre a importação de nafta e outros insumos pelas petroquímicas.

Originalmente, o benefício deveria valer até 2025, com o objetivo de garantir a competitividade internacional da indústria química brasileira. Bolsonaro, todavia, pôs fim à isenção para compensar a desoneração do Imposto de Renda recolhido por empresas aéreas sobre o leasing de aeronaves.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;