Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Contra a maré, Caixa renova aposta no crédito imobiliário



18/05/2022 | 08:30


Entre os cinco maiores bancos do País, é quase unanimidade de que o crédito imobiliário vai desacelerar neste ano. O "quase" se dá por causa da postura do líder no segmento: a Caixa Econômica Federal. Único dos cinco grandes que tem capital fechado, o banco público - que busca expandir o crescimento em relação ao ano passado - lançou no fim de abril um amplo pacote para o setor.

Em 2021, o financiamento imobiliário cresceu 46%, para R$ 255 bilhões, segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Embora tenha avançado, a Caixa não acompanhou o ritmo, e teve sua participação reduzida de 69,3% para 66,5% do mercado.

Neste ano, o banco anunciou a meta de crescer 20% no segmento. Para isso, colocou o pé no acelerador no primeiro trimestre e fechou um recorde de R$ 34,4 bilhões em contratações, valor 17,8% superior ao do mesmo período do ano passado. Desse total, R$ 21,4 bilhões ocorreram pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). "O imobiliário continuará sendo a principal carteira da Caixa. Não faltarão recursos, e vamos continuar crescendo com recursos próprios", disse, na semana passada, o presidente do banco, Pedro Guimarães.

No plano que apresentou em abril, a Caixa anunciou um pacote de facilidades para o financiamento à construção, com a reformulação do Plano Empresário (linha voltada para construtoras), e também medidas para os compradores de imóveis, como uma carência em financiamentos.

TAXAS MENORES

Com a taxa básica de juros (Selic) atingindo 12,75%, os bancos privados elevaram as taxas cobradas no financiamento imobiliário para repassar esse custo ao consumidor. A Caixa vinha fazendo o mesmo até março, mês em que reduziu a taxa da linha atrelada à poupança para, no máximo, 8,97% ao ano - nas demais instituições, o juro está entre 9% e 10% ao ano.

O desafio no cenário atual é a deterioração da qualidade do crédito. A inadimplência da área imobiliária da Caixa subiu 0,55 ponto porcentual em um ano, para 2,35%, e ajudou a elevar a taxa consolidada do banco a 2,33% no primeiro trimestre. Guimarães afirma que, por enquanto, esse aumento não é motivo de preocupação, e que o banco ainda não tem acelerado a retomada de imóveis. A prioridade é ajudar clientes, disse.

PÉ NO FREIO

Este é um cenário que contrasta com o dos bancos privados. Com os juros mais altos, os modelos de crédito dos bancos exigem uma comprovação de renda mais rigorosa para aprovar financiamentos, o que torna natural a desaceleração quando os juros sobem.

O Bradesco, por exemplo, reduziu à metade a aprovação do crédito imobiliário entre o primeiro trimestre de 2021 e o mesmo período deste ano. "Oitenta por cento da queda da originação (concessão de crédito) se dá pela queda no imobiliário. Estávamos originando R$ 3 bilhões por mês e agora estamos originando R$ 1,5 bilhão", disse o presidente do banco, Octavio de Lazari Junior.

Segundo Guilherme Machado, diretor responsável por entidades financeiras da S&P Global Ratings no Brasil, a Caixa historicamente nada contra a maré do crédito imobiliário quando o mercado desacelera. Ele explica que essa retomada passa pela competitividade. "A Caixa usa menos as taxas de referência ou tende a ser a última fazer mudanças e ganha competitividade quando as taxas de juros aumentam."

Já nos bancos privados, o custo também cairá, mas a prioridade será ganhar margem, o que será possível em linhas de menor prazo, como os cartões, onde a Caixa é mais tímida.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;