Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 19 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Violência sexual contra crianças e adolescentes aumenta 92% em 2022

Dênis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Dados do Disque 100 sobre casos ocorridos no Grande ABC apontam 106 violações de janeiro a abril deste ano, ante 55 ocorrências em 2020


Aline Melo

10/05/2022 | 00:01


A percepção que especialistas e profissionais que lidam com casos de violência de grupos vulneráveis, de que as vítimas perderam o acesso à rede de apoio na pandemia, começa a ser confirmada por números. Dados do Disque 100, serviço de denúncia e acompanhamento de violações dos direitos humanos mantido pelo Ministério da Família, da Mulher e dos Direitos Humanos, mostram que de janeiro a abril deste ano o Grande ABC registrou 106 casos de violência sexual contra crianças e adolescentes. O aumento é de 92% na comparação com o mesmo período de 2020, primeiro ano da pandemia, quando foram registradas 55 ocorrências.

Longe de indicar que a violência aumentou agora, especialistas afirmam que esse acréscimo nas denúncias é o sinal claro de que os casos estavam represados. Os próprios números são autoexplicativos: 73,5% dos agressores são pessoas muito próximas, familiares ou vizinhos, ou seja, convivem diariamente com as vítimas; 74,5% das agressões ocorreram em ambiente doméstico, seja na casa da vítima, do agressor ou de terceiros – veja na arte abaixo.

Com a retomada das aulas presenciais, a escola voltou a ser uma das principais portas de entrada para esse tipo de denúncia, já que, muitas vezes, professores e diretores identificam as situações de violência e acionam as autoridades.

A especialista em políticas públicas para as mulheres e justiça de gênero Maria Cristina Pechtol classifica os dados como “estarrecedores” e lembra que escolas e creches são lugares de proteção para essas crianças e adolescentes. Destaca que “a educação é o pilar principal para que haja mudança de cultura na nossa sociedade, desse sistema patriarcal e machista que leva à violência. Infelizmente”. “Crianças e jovens precisam saber o que é uma violência, um assédio, saber se proteger ou mesmo poder denunciar isso com mais rapidez, logo nas primeiras tentativas”, afirmou, em defesa da educação sexual. 

Maria Cristina aponta que é preciso uma rede bem estruturada para que os traumas e danos dessas vítimas possam ser mitigados, com unidades de referência e toda equipe das UBSs (Unidades Básicas de Saúde) preparada, treinada, tanto para também identificar possíveis casos de abuso como para acolher as vítimas de forma digna. “ Infelizmente a gente sabe que o setor da saúde está muito ruim, sem que os profissionais consigam lidar com o básico. Fico imaginando uma mãe querendo levar sua criança, seu adolescente para um tratamento e não conseguir, o desespero que é”, conclui.

Uma rede estruturada também é apontada pelo presidente da comissão de direitos humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Bernardo e integrante da comissão da criança e do adolescente da OAB São Paulo, Ariel de Castro Alves. Na sua avaliação, as cidades precisam criar centros de referência especializados para o atendimento de crianças e adolescentes vítimas de violência, com equipes multidisciplinares, e o Estado precisa criar delegacias especializadas da criança e adolescente. 

Alves ressalta que, apesar de impactantes, os números podem ser ainda maiores, devido a grande subnotificação deste tipo de crime. “As escolas precisam implantar imediatamente a lei que está em vigor desde 2020, que trata da obrigatoriedade de psicólogos e assistentes sociais nas escolas das redes públicas”, afirma. “São fundamentais nos atendimentos coletivos e individualizados para diagnosticarem situações de violência”, completa.

O advogado pontua que são necessárias sensibilizações e formações para os educadores, agentes de saúde e para a comunidade em geral sobre como verificar e denunciar as situações de violência contra crianças e adolescentes e que as secretarias de educação precisam fazer a busca dos alunos que não voltaram às escolas após a pandemia. “Muitos podem estar em situações de violência ou de fome, de rua e de exploração do trabalho infantil”, conclui.

As denúncias sobre violações dos direitos humanos podem ser feitas pelos telefones 180 e 100, sem necessidade de se identificar. Também podem ser informadas pelo WhatsApp no número (61) 99656-5008; pelo Telegram no canal “DireitosHumanosBrasilBot”; pelo aplicativo Diretos Humanos Brasil e pela ouvidoria do Ministério, em www.ouvidoria.mdh.gov.br.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;