Fechar
Publicidade

Domingo, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

PEC 333 provoca ressalvas em convenções


Leandro Baldini
Da Sucursal de Diadema

15/06/2008 | 07:03


O ‘efeito PEC' (proposta de emenda constitucional) 333, que rege sobre o aumento de vereadores e a redução de repasse às câmaras municipais, passou como furacão pelo cenário político do Grande ABC e provocou mudanças em algumas estratégias partidárias.

Logo depois de ser aprovada pela Câmara Federal, muitas legendas da região começaram a se articular no âmbito de coligação proporcional. O mais inusitado ocorreu em Diadema, que mesmo antes da aprovação pelo Senado, a Câmara Municipal decidiu reger sobre a questão. Os vereadores apresentaram um projeto de lei estabelecendo um aumento no número de cadeiras das atuais 16 para 21.

Após a derrocada no Congresso, os parlamentares recuaram e reduziram o aumento, estabelecendo em 17 o número de cadeiras. A votação ocorrerá amanhã.

Além disso, em toda a região, as convenções partidárias serão caracterizadas por ressalvas. A maiorias das legendas homologará seus documentos com possibilidade de modificação, à espera da aprovação pelo Senado, até o dia 30.

PARTIDOS - Em Santo André, a possibilidade da PEC não trouxe mudanças. O DEM, cujo candidato a prefeito será o advogado Raimundo Salles, foi o primeiro partido do Grande ABC a realizar sua convenção. Dentre as demais legendas, apenas o PT, que terá chapa encabeçada pelo deputado estadual Vanderlei Siraque, modificou sua data, e antecipou para a última sexta-feira. No entanto, o presidente municipal da legenda, Tiago Nogueira, alegou que a modificação foi por conta "de um compromisso de Siraque fora do País".

Mesma situação ocorreu na vizinha São Bernardo. Os prefeituráveis não modificaram suas datas. No PPS, que terá o deputado estadual Alex Manente como candidato a prefeito, o presidente da sigla, Otávio Manente, afirmou que as articulações não se basearam na possível votação. "A aprovação facilitaria o trabalho no contingente. Porém, decidimos não nos pautar nessa possibilidade", explicou.

Em São Caetano, a alteração ocorreu no PPS. O presidente municipal, o ex-deputado estadual Marquinho Tortorello, adiou a convenção para o dia 29. "Decidimos esperar por uma definição em Brasília para nos pautarmos. Devíamos ter realizado no início do mês", disse.

Na polarização pelo Poder Executivo de Diadema, o adiamento trouxe efeitos diferentes. O PT, que terá o deputado estadual Mário Reali, adiou em uma semana e fará a convenção no dia 22.

No lado dos tucanos, a alteração foi em um adiamento nas adesões. Com a possibilidade de aumento de cadeiras, o partido, que terá chapa encabeçada pelo deputado estadual José Augusto da Silva Ramos, não conseguiu formalizar alguns apoios.

Em Mauá, a única mudança ocorreu no PT, que deixou sua convenção para o dia 27, mas a PEC não foi o motivo da mudança, alegou o presidente Hélcio da Silva.

Entre os partidos de Ribeirão Pires, a situação ficou inalterada. Já em Rio Grande da Serra, o prefeito Adler Kiko Teixeira, que concorre à reeleição, garante estar alerta à situação. "Podemos fazer uma mudança caso a PEC 333 seja votada", disse o chefe do Executivo, que realizará hoje a convenção.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;