Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

IC ainda não concluiu laudos que devem esclarecer caso Eloá


Do Diário do Grande ABC

24/10/2008 | 07:09


O IC (Instituto de Criminalística) ainda não concluiu os laudos que ajudarão a esclarecer como foi o desfecho do mais longo crime de cárcere privado registrado no Estado de São Paulo, que terminou há uma semana, no Jardim Santo André, em Santo André.

Contudo, exames preliminares dão conta de que o tiro disparado contra a cabeça de Eloa Cristina da Silva, 15 anos, pode não ter sido feito com a arma - um revólver calibre 32 - encostada no corpo da jovem, já que neste caso haveria queimadura na pele da vítima, traços que os peritos não encontraram.

Outros pontos importantes, como o tiro que Lindemberg Alves teria dado no teto do apartamento três horas antes dos policiais invadirem o cárcere, conforme declarou Nayara Rodrigues da Silva, 15 anos, anteontem em depoimento, também deverão ser objeto de análise dos peritos.

Apontada pelo diretor do IC, Nelson Gonçalves, como fundamental para a conclusão do inquérito, por permitir "confrontar as informações e descobrir o que realmente aconteceu", a reconstituição do crime ainda não tem data estipulada para ser realizada.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

IC ainda não concluiu laudos que devem esclarecer caso Eloá

Do Diário do Grande ABC

24/10/2008 | 07:09


O IC (Instituto de Criminalística) ainda não concluiu os laudos que ajudarão a esclarecer como foi o desfecho do mais longo crime de cárcere privado registrado no Estado de São Paulo, que terminou há uma semana, no Jardim Santo André, em Santo André.

Contudo, exames preliminares dão conta de que o tiro disparado contra a cabeça de Eloa Cristina da Silva, 15 anos, pode não ter sido feito com a arma - um revólver calibre 32 - encostada no corpo da jovem, já que neste caso haveria queimadura na pele da vítima, traços que os peritos não encontraram.

Outros pontos importantes, como o tiro que Lindemberg Alves teria dado no teto do apartamento três horas antes dos policiais invadirem o cárcere, conforme declarou Nayara Rodrigues da Silva, 15 anos, anteontem em depoimento, também deverão ser objeto de análise dos peritos.

Apontada pelo diretor do IC, Nelson Gonçalves, como fundamental para a conclusão do inquérito, por permitir "confrontar as informações e descobrir o que realmente aconteceu", a reconstituição do crime ainda não tem data estipulada para ser realizada.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;