Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 28 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Everardo Maciel depõe na CPI da Serasa


Da Agência Câmara

18/08/2003 | 11:19


A CPI da Serasa vai ouvir nesta terça-feira o depoimento do ex-secretário da Receita Federal Everardo Maciel. Ele deve explicar o convênio firmado entre a União, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e a Serasa para o uso de informações cadastrais de consumidores.

A Serasa é suspeita de usar de forma ilegal informações bancárias que só deveriam ser repassadas aos bancos conveniados. A empresa mantém em seu banco de dados informações sobre a situação bancária dos consumidores, repassadas, mediante convênio, pela Federação Brasileira das Associações de Bancos (Febraban).

O acordo proíbe a empresa de transferir essas informações a terceiros, seja como serviço pago ou gratuito. A Serasa rebate as acusações e, em nota à imprensa, garantiu que todas as informações de seu banco de dados são obtidas de fontes formais e oficiais, e que não tem acesso a informações sigilosas sobre os consumidores.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Everardo Maciel depõe na CPI da Serasa

Da Agência Câmara

18/08/2003 | 11:19


A CPI da Serasa vai ouvir nesta terça-feira o depoimento do ex-secretário da Receita Federal Everardo Maciel. Ele deve explicar o convênio firmado entre a União, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e a Serasa para o uso de informações cadastrais de consumidores.

A Serasa é suspeita de usar de forma ilegal informações bancárias que só deveriam ser repassadas aos bancos conveniados. A empresa mantém em seu banco de dados informações sobre a situação bancária dos consumidores, repassadas, mediante convênio, pela Federação Brasileira das Associações de Bancos (Febraban).

O acordo proíbe a empresa de transferir essas informações a terceiros, seja como serviço pago ou gratuito. A Serasa rebate as acusações e, em nota à imprensa, garantiu que todas as informações de seu banco de dados são obtidas de fontes formais e oficiais, e que não tem acesso a informações sigilosas sobre os consumidores.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;