Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Retrospectiva de Tunga resume toda a carreira em 300 obras



09/12/2021 | 08:04


Quatro anos após a última exposição póstuma de Tunga no Masp (O Corpo em Obras), o artista pernambucano ganha uma ampla retrospectiva no Itaú Cultural, Tunga: Conjunções Magnéticas, que será aberta no sábado, 11. A mostra, com curadoria de Paulo Venâncio Filho, reúne aproximadamente 300 obras - algumas inéditas, outras raras, pertencentes a colecionadores privados. São três andares que cobrem toda a trajetória artística (40 anos) de Tunga (1952-2016), artista reconhecido mundialmente e disputado nas feiras internacionais de arte - na última Art Basel Miami, todas as obras levadas por sua galeria, a Millan, foram vendidas.

Esse, naturalmente, não é apenas um sucesso comercial, um mero fenômeno de mercado. Críticos respeitados como o inglês Guy Brett (1942-2021) e a francesa Catherine David revelaram publicamente o forte impacto provocado pela descoberta da obra de Tunga. Segundo Brett, a escultura do brasileiro busca um novo tipo de relação com o espectador que dispensa a chave intelectual e clama pelo sensual. "Ela me comoveu e perturbou", escreveu Brett em 1989.

A resposta para essa empatia imediata está no magnetismo dessa obra que elegeu a circularidade como elemento referencial. Até por isso o curador Paulo Venâncio Filho evitou organizar a mostra de forma cronológica. Ela é assumidamente circular. Seus trabalhos mais antigos se desdobram em novas peças, revelando em sua morfologia a origem de um código sintático típico da alquimia.

"O título da exposição, Conjunções Magnéticas, define vários trabalhos em que o ímã surge como alegoria física do modo como ele pensava", diz o curador da mostra, diante da obra Portal - uma pesada peça com 900 quilos, formada por ímãs e cristais - e que funciona como uma espécie de rito de passagem para os espectadores da mostra, um bilhete para o seu mundo barroco, surrealista e francamente erotizado. Isso desde o começo, como se pode ver mais adiante, ainda no primeiro andar, em que estão expostos os desenhos de sua primeira exposição, em 1974, no Museu de Arte Moderna do Rio.

A mostra do Itaú Cultural se prolonga no Instituto Tomie Ohtake, onde o público poderá ver desenhos, o antológico filme ÃO (uma viagem por um túnel em que entrada e saída não existem) e a obra Gravitação Magnética (1987), realizada com agrupamento de ímãs do tipo ferrite. Os fios de ferro e a limalha de ferro aproximam garrafas e constituem uma das peças mais fascinantes da narrativa ficcional de Tunga, tendo sido exibida na 19.ª Bienal de São Paulo (1987) e nunca remontada.

Outra obra reconstruída para a mostra pode ser vista no Itaú Cultural. Chama-se Piscina (1975) - é uma remontagem da obra original, perdida. Usa como materiais aço galvanizado, lona, látex, um apito, um boné, uma corrente e uma tela de nylon. Uma reunião insólita como essa só encontra rival na monumental instalação À la Lumière de Deux Mondes (2005) que Tunga montou no Museu do Louvre, em Paris, que usava ferro, bronze, cabos de aço e epóxi.

INSTAURAÇÕES

Esta é uma exposição quase completa da obra de Tunga. O "quase", esclarece o curador, fica por conta da ausência dos trabalhos que Tunga chamava de "instaurações" - efêmeros e que exigiam a sua presença. A "instauração", conceito cunhado pelo filósofo de arte norte-americano Nelson Goodman (1906-1998), foi assumida por Tunga como meio de estabelecer conexões entre objetos definidos por estreitos vínculos referenciais - um dedo esculpido por Tunga tem extrema ressonância erótica, por exemplo.

No primeiro subsolo, está o "id" freudiano de Tunga - bichos, fragmentos do corpo humanos e fetiches de um artista que celebrou o sexo em suas mais diversas formas. O curador Paulo Venâncio Filho reuniu num "gabinete de curiosidades" desde os protótipos da exposição From La Voie Umide (2014), a particular visão dos mistérios órficos de Tunga, até as faianças com lagartos esculpidas em Portugal.

La Voie Umide é a série temática que fica na memória como a última grande contribuição de Tunga para a história brasileira. Misturando diversos materiais (gesso, terracota e cristais, sustentados por um tripé de bruxo, com caldeirões), o escultor cria seu Frankenstein contemporâneo com fragmentos de corpos numa simbiose alquímica entre matéria e espírito. A "via úmida", evoque-se, era uma das técnicas usadas pelos alquimistas para transformar a matéria, unindo o princípio ativo masculino (enxofre) com o feminino (o mercúrio, volátil). Tunga, na arte, foi o maior desses alquimistas.

Tunga: Conjunções Magnéticas

Itaú Cultural. Av. Paulista, 149. Tel. (11) 2168-1777. 3ª/dom, 11h/19h. Instituto Tomie Ohtake. R. Coropés, 88, tel. (11) 2245-1900 3ª/dom., 11h/20h. Até 10/4/2022.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;