Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Cultura encolheu em 2020 e deixou de empregar 700 mil pessoas no Brasil, diz IBGE



08/12/2021 | 12:58


Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada nesta quarta-feira, 8, mostra que o setor cultural brasileiro registrou queda de 11,2% no total de pessoas ocupadas em 2020 em relação a 2019. Isso quer dizer que cerca de 700 mil pessoas deixaram de trabalhar no setor no primeiro ano da pandemia. Ao mesmo tempo, a taxa de informalidade subiu para 41,2% no período.

Os dados fazem parte do Sistema de Informações e Indicadores Culturais (SIIC) 2009-2020. Baseou-se na análise de informações apuradas em diferentes pesquisas do IBGE, como a PNAD Contínua, o Cadastro Central de Empresas (Cempre), a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) e as Regiões de Influências das Cidades (Regic).

Segundo o SIIC, no ano passado o setor cultural ocupava 4,8 milhões de pessoas, o que representa 5,6% do total de ocupados do País. Em 2019, eram 5,5 milhões, o equivalente a 5,8% do total.

A maior parte deles era formada por trabalhadores por conta própria. De acordo com o IBGE, 41,6% se enquadravam nesse grupo. Outros 37,7% tinham carteira assinada, enquanto 11,3% trabalhavam sem carteira (11,3%). Além disso, a taxa de informalidade do setor ficou em 41,2% em 2020. Foi maior do que a média do Brasil, que foi de 38,8% entre a população ocupada.

A pesquisa mostra ainda que a proporção de pretos e pardos nas atividades culturais é de apenas 43,8% entre os ocupados no País. Ficou abaixo da média nacional, 53,5%.

De acordo com o cruzamento de informações do IBGE, o gasto público no setor cultural brasileiro registrou um aumento nominal de 57,6% entre 2009 e 2020. Saiu de R$ 6,2 bilhões para R$ 9,8 bilhões. No período, porém, houve recuo na participação da cultura nos gastos das três esferas de governo.

Na captação de recursos por produtores culturais via incentivo fiscal, os valores subiram de R$ 980 milhões em 2009 para R$ 1,489 bilhão em 2020. Mais de 3/4 desse montante (77,7%) foi direcionado à Região Sudeste.

A pesquisa mostra ainda que em 2020 a cultura tinha 6,3% do total de unidades locais das empresas do País. A maior parte (8%) ficava no Estado do Rio. Distrito Federal (7,7%), São Paulo (7,6%) e Roraima (6,4%) vinham a seguir. Na outra ponta, Piauí (4,3%), Pará (4,5%) e Tocantins (4,6%) registravam a menor porcentagem de participação.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;