Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Meninos, eu li


Carlos Brickmann

08/12/2021 | 08:39


O empresário que transformou a Folha de S.Paulo no maior jornal do País, Octavio Frias de Oliveira, costumava dizer que a grande vantagem de ser idoso é ter visto tudo o que aconteceu, e o contrário também. Caro leitor, vivemos o bastante para ver o seguinte anúncio: “2º Encontro de Compliance do grupo J&F – o Valor da Integridade. Como os Programas de Transparência e Integridade Posicionam Marcas e Podem Reduzir Riscos?”

Traduzindo: Compliance é uma palavra em inglês que tem sido usada para definir a integridade corporativa. A empresa fixa e divulga normas públicas de conduta, sua postura ética e se obriga a cumprir tudinho. No Brasil, a Lei 12.846, Lei Anticorrupção, define oferecer vantagem a agentes públicos, custear atos ilegais, ocultar interesses ou a identidade dos beneficiários das ilegalidades como atos contra a administração pública.

Completando: o grupo J&F, que promove o 2º Encontro de Compliance – o Valor da Integridade, pertence aos irmãos Joesley e Wesley Batista.
*O presidente Bolsonaro garantiu que o ex-juiz (e seu ex-ministro) Sergio Moro não aguenta dez segundos de debates. Bolsonaro ganhou a eleição de 2018 sem participar de um segundo que fosse de qualquer debate.
*Moro, a propósito, disse que uma de suas ideias é criar uma agência de combate à pobreza. Não é novidade: a guerra à pobreza é permanente em nosso País. E até hoje os pobres estão perdendo a guerra.

A imagem do Nordeste
A campanha presidencial já começou e mostra duas coisas com clareza: primeiro, os candidatos não dão a menor bola para a lei eleitoral, que marca para muito mais tarde o início da campanha; segundo, que os candidatos têm péssima impressão do Nordeste. Bolsonaro não hesitou em distribuir fartos argumentos a congressistas para conseguir aprovar benefícios que, acredita, serão pagos com votos, principalmente no Nordeste; João Doria e Moro botaram chapéus de couro, tentando identificar-se com nordestinos. Este colunista viajou muito pelo Nordeste e viu os chapéus de couro apenas em festas a fantasia ou espetáculos. São adereços estranhos para quem, como Doria, que só nasceu na Bahia, fez toda sua carreira em São Paulo e jamais trocaria suas roupas de cashemere por trajes de Luiz Gonzaga; ou, como Moro, o Marreco de Maringá, que sempre preferiu formais ternos pretos. 

Sem água
Já Bolsonaro mostra de outra maneira suas ideias a respeito do que faz falta no Nordeste: em seu governo, caiu dramaticamente a distribuição de cisternas à população rural. Ficou muito mais difícil, sem as caixas-d’água, guardar a água de chuva; e muito mais fácil passar sede e perder os animais. Lula explora outro filão: leva o eleitor a se identificar com sua origem nordestina – embora Lula seja politicamente paulista. Uma curiosidade: no Nordeste o índice de chuvas é quatro vezes o de Israel, que no entanto resiste muito melhor às secas. A tecnologia israelense está à disposição tanto de Lula como de Bolsonaro. Lula não a busca por ideologia. Para Bolsonaro, que diz ter afinidades com Israel, o que falta é competência.

Em campanha
Lula está jogando parado: sabe que tem enormes chances de ir ao segundo turno e de ganhar as eleições. Bolsonaro descartou muitos ex-aliados e hoje está nas mãos do Centrão. Ficou sem margem de manobra. Mas é presidente e, embora seu prestígio tenha caído abaixo de barriga de cobra, pode até se recuperar, se bem que isso não seja fácil. Moro e Doria estão se movendo para chegar ao segundo turno, deslocando Bolsonaro. Ambos acreditam que, havendo no segundo turno uma alternativa de centro, terão grandes chances de vencer Lula. A propósito, hoje há reunião marcada entre Moro e Doria, e amanhã entre Doria e o governador gaúcho Eduardo Leite. O objetivo de Doria é atrair Leite, tucano como ele, para a coordenação da sua campanha.

Suplicy e Morais
Dois bons livros na praça para quem gosta de política brasileira: <CF160>Um Jeito de Fazer Política</CF>, de Eduardo Suplicy, comemorando seu 80º aniversário; e o primeiro volume de <CF160>Lula</CF>, de Fernando Morais, um dos mais festejados biógrafos brasileiros da atualidade. Claro, são livros que têm lado: nenhum dos autores tem a imparcialidade como objetivo. Mas valem a pena, ambos: Suplicy tem carreira política rica, longa, com excentricidades conhecidas, e até com toques pop, como um flerte com a cantora Joan Baez; e Morais, mesmo sem ser lulista (está à esquerda dele), sempre esteve em contato com ele, acompanhando-o nos últimos 40 anos. O livro de Suplicy será lançado no próximo dia 11, ao meio-dia, na praça D. José Gaspar, 86, Centro de São Paulo. O livro de Morais já está na praça.

Algo diferente

Amanhã, Paulo Skaf transmite a presidência da Fiesp a Josué Gomes da Silva e a do Ciesp a Rafael Cervone. Skaf estava no poder desde 2004. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;