Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Congresso do Chile aprova casamento gay e adoção por casais homoafetivos

Pixbay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


07/12/2021 | 17:58


O Congresso do Chile aprovou nesta terça-feira, 7, o projeto de lei que autoriza o casamento gay, equiparando direitos de casais homoafetivos e heterossexuais, inclusive a adoção.

O projeto foi aprovado no Senado com 21 votos a favor, 8 contra e 3 abstenções, e, logo após, foi colocado para votação e aprovado na Câmara dos Deputados, sendo aprovado com 82 votos a favor, 20 contra e 2 abstenções.

O novo texto modifica o Código Civil chileno e outras leis, permitindo o casamento entre pessoas do mesmo sexo e regulamentando os direitos e obrigações de quem for celebrá-los. Além disso, o novo regramento também iguala direitos conferidos a casais homossexuais e heterossexuais, removendo diferenciações que a lei anterior - de 2015, que reconhecia a união civil - mantinha.

"Hoje é um dia histórico, nosso país aprovou o casamento entre pessoas do mesmo sexo, mais um passo em frente em termos de justiça, em termos de igualdade, reconhecendo que amor é amor", disse a ministra do Desenvolvimento Social, Karla Rubilar, após a votação.

Ativistas presentes nas tribunas comemoraram euforicamente a votação e estenderam cartazes e uma bandeira do arco-íris, símbolo do movimento LGBTQIA+. "Estou tremendamente emocionada. Tenho um pouco de dificuldade em manter a compostura. Foi uma corrida de vários quilômetros", disse Isabel Amor, diretora da Fundação Iguais, que acompanhou a votação no Congresso.

O projeto aprovado nesta terça chegou ao Parlamento em 2017, fruto de uma iniciativa da ex-presidente socialista Michelle Bachelet. Uma iniciativa anterior também havia sido apresentada em 2008. Após anos parado, em uma reviravolta surpreendente, o atual presidente Sebastián Piñera, decidiu em julho que havia chegado a hora de aprovar o projeto de lei, instruindo o Parlamento a debatê-lo com urgência - apesar do tema não ser parte de seu programa de governo.

O anúncio de Piñera caiu como um balde de água fria entre os setores mais conservadores da direita, que na semana passada votaram contra o projeto e prolongaram a discussão por mais sete dias. Divergências sobre questões relacionadas à filiação, direitos trabalhistas e a atualização da lei de identidade de gênero forçaram a criação de uma Comissão Mista, que se reuniu na segunda-feira, e obrigou a novas votações na terça-feira, na Câmara e no Senado.

"Com a aprovação do casamento igualitário, o Chile deu um passo histórico e decisivo para o avanço e a consolidação dos direitos humanos dos casais do mesmo sexo e das famílias homoafetivas. Todas elas, sem distinção, eram discriminadas e violadas desde as origens do nosso país", afirmou um comunicado do Movimento de Integração e Libertação Homossexual (Movilh), que impulsionou por anos o casamento igualitário no Chile.

O Chile se torna agora o nono país das Américas a legalizar o casamento homoafetivo, depois de Canadá, Estados Unidos, Costa Rica, Equador, Colômbia, Brasil, Uruguai e Argentina. No México, o casamento gay é legalizado em 14 dos 32 estados do país. (Com agências internacionais)



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;